Correa disputa mais um mandato com dois ex-presidentes

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “O populismo autoritário se apropria da linguagem da soberania popular”. Entrevista com Pierre Dardot

    LER MAIS
  • Pastor pede escusas por ter discriminado homossexuais

    LER MAIS
  • No feijão, retrato do libera-geral de venenos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 04 Fevereiro 2013

Após seis anos no poder, o presidente da República licenciado, Rafael Correa, tenta a reeleição. Até 14 de fevereiro, às vésperas das eleições, ele ficará oficialmente fora do poder. Nesse período, intensifica a campanha. Correa quer mais um mandato, agora de quatro anos, para “dar continuidade ao processo revolucionário”. As eleições no Equador são marcadas pela presença de nomes tradicionais da política local e alguns que se apresentam como candidatos da mudança.

A reportagem é de Renata Giraldi e publicada pela Agência Brasil, 02-02-2013.

Correa estabeleceu seu estilo em defesa de princípios nacionalistas, do fortalecimento do Estado e do que considera unidade regional. Ele disputa as eleições com dois ex-presidentes da República - Lúcio Gutiérrez (Sociedade Patriótica) e Álvaro Noboa (Prian) - e uma dupla de ex-correligionários - Alberto Acosta (UPI) e Norman Wray (Ruptura).

As eleições no Equador podem ocorrer em dois turnos - 17 de fevereiro e 7 de abril. Mas se o candidato mais votado obtiver maioria simples no primeiro turno, as eleições são concluídas. Há ainda eleições para escolher 137 integrantes da Assembleia Nacional e cinco para o Parlamento Andino. Mais de 11,6 milhões de eleitores estão cadastrados para votar.

No Equador, o voto é obrigatório para quem tem mais de 18 anos e menos de 65. Eleitores no exterior também podem votar. Tradicionalmente no Equador, o percentual de participação dos eleitores costuma ser superior a 70%.

Os eleitores irão às urnas para escolher entre os candidatos que se consideram de esquerda: Correa (Aliança pelo País), Alberto Acosta (UPI) e Norman Wray (Ruptura). Acosta e Wray participaram da primeira fase do governo Correa e agora lançam candidaturas independentes em defesa de mudanças mais profundas.

São apontados como candidatos de centro e direita os ex-presidentes Lúcio Gutiérrez (Sociedade Patriótica) e Álvaro Noboa (Prian), além de Nelson Zavala (PRE), Guillermo Lasso (Creo) e Mauricio Rodas (Suma).

Com aproximadamente 15,2 milhões de habitantes, o Equador, assim como o Chile, não tem fronteira com o Brasil. Os dois países são as exceções da América do Sul. O  Equador tem reservas de petróleo que respondem por cerca de 40% das exportações do país e parte das receitas do governo. As variações no preço da commodity do petróleo atingem a economia.

Em dezembro, Correa esteve em Brasília para a Cúpula dos Chefes de Estado do Mercosul. O Equador e a Bolívia negociam a entrada no bloco. As negociações da Bolívia estão mais adiantadas, mas o presidente equatoriano indicou que, resolvidas algumas questões internas do país, o assunto será retomado.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Correa disputa mais um mandato com dois ex-presidentes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV