@Pontifex: ''Os seguidores mais numerosos são os britânicos. Mas também há muitos árabes''

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Até quando? Editorial do L’Osservatore Romano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Dezembro 2012

"O papa precisou de alguém que lhe indicasse onde devia pressionar para disparar o tuíte porque ele não tem uma grande familiaridade com as novas tecnologias. O que é importante é a disponibilidade do papa e a sua abertura a esse novo mundo comunicativo". A afirmação é de Dom Carlo Maria Celli, presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, que cuidou do desembarque do papa no Twitter, falando à agência Ansa às margens do congresso "As notícias em alta velocidade", organizado pela associação Stampa Romana.

A reportagem é do sítio Vatican Insider, 14-12-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

"Ficamos surpresos com a ressonância midiática mundial. Chegamos a quase 2 milhões de seguidores", acrescentou Celli. "Os primeiros são os ingleses, depois estão os espanhóis e os italianos. É verdade que os alemães são em menor número, enquanto nos surpreendeu que haja tantos árabes o seguindo. Quando eu explicava ao Santo Padre o que significava ter tantos seguidores e o efeito da retuitagem no mundo, o papa entendeu perfeitamente e estava ciente de que isso tinha uma possibilidade comunicativa excepcional".

"Neste momento, não consideramos necessário abrir uma página do Facebook do papa, porque o Facebook tem uma dimensão muito mais pessoal, enquanto o YouTube e o Twitter têm uma dimensão mais institucional", continuou.

"Não é verdade, como alguns disseram, que o papa nem vê os tuítes, porque ele os tem que aprovar. A Secretaria de Estado envia os textos junto com os outros documentos para a aprovação. Se não fosse assim, não se trataria de tuítes do papa. Tecnicamente, outra pessoa os escreve, mas podemos dizer que, de modo geral, se trata de uma mensagem do papa".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

@Pontifex: ''Os seguidores mais numerosos são os britânicos. Mas também há muitos árabes'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU