'Islamitas não acreditam na democracia'

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Diante do nacionalismo da Grande Rússia, vamos reinventar o internacionalismo. Artigo de Pierre Dardot e Christian Laval

    LER MAIS
  • “Receber dinheiro para evangelizar de quem gera morte é contraditório”. Entrevista com Dom José Ionilton Lisboa de Oliveira

    LER MAIS
  • “Fratelli Tutti” coisa nenhuma. “Memorando” exorta que antes do conclave os cardeais releiam “Dominus Iesus”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Dezembro 2012

Hossam Bahgat, um dos mais conhecidos ativistas de direitos humanos do Egito, passou os últimos anos tentando convencer seus amigos de que o maior inimigo da revolução egípcia eram os militares, não os islamitas.

Sua opinião sobre os militares continua a mesma. Mas as recentes ações do presidente Mohamed Mursi confirmaram para ele os temores sobre a inclinação autoritária da Irmandade Muçulmana.

"Os islamitas mostraram que não acreditam na democracia", disse Bahgat em entrevista no seu escritório, no centro do Cairo.

A entrevista é de Marcelo Ninio e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 15-12-2012.

Eis a entrevista.

Os islamitas o surpreenderam?

Desde a queda de Mubarak há uma polarização entre islamitas e aqueles cuja prioridade era evitar a chegada dos islamitas ao poder. Eu achava que seria bom para a transição ter os islamitas no poder, porque isso os integraria ao processo político. E acreditava que havia um bloco reformista na Irmandade Muçulmana, e que governar teria um efeito moderador no grupo. Eu estava errado.

O que mais o incomodou?

É uma longa lista. Começa no ano passado, quando a Irmandade ficou do lado da junta militar e não das forças revolucionárias, incluindo em tempos de massacres nas ruas. Depois, quando conquistou a maioria no Parlamento, a Irmandade monopolizou todas as comissões. Com o decreto do dia 22 eles foram além de um erro político: foi a primeira vez que os islamitas mostraram que não acreditam na democracia. O decreto confirmou os medos dos que estavam obcecados com a ameaça islamita.

Os islamitas dizem que o decreto foi necessário porque as cortes são formadas por juízes do antigo regime.
É uma definição enganosa. Mursi tem poderes legislativos desde agosto, mas não emitiu nenhuma lei para a reforma judiciária. É verdade que a Suprema Corte tem membros apontados por Mubarak, alguns abertamente contra os islamitas, mas não se pode generalizar. O Judiciário era o nosso maior aliado contra Mubarak. Em 2006, Mursi foi preso numa manifestação justamente por defender o Judiciário.

O que acha da Constituição que irá a referendo?

É um retrocesso. O poder garantido aos militares vai muito além de qualquer outra Constituição. Há um artigo explicando as fontes da sharia amplo o suficiente para levar a um caos legal e às mais extremas interpretações em assuntos como violência contra a mulher, casamentos de menores e punições a crimes.
Nada muda para quem era marginalizado antes da revolução.

Veja também: ''As manifestações no Egito? Sinal de democracia'' Entrevista com Samir Khalil Samir, jesuíta

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

'Islamitas não acreditam na democracia' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV