Brasil vive desindustrialização ou perda de dinamismo?

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

03 Dezembro 2012

"É cedo para declarar que o Brasil se desindustrializou, e um conjunto de fatores sugere a necessidade de sermos mais cautelosos", analisa Jorge Arbache, professor de economia da Universidade de Brasília e assessor econômico do BNDES, em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, 02-12-2012.

Eis o artigo.

Um dos assuntos que mais têm atraído a atenção no Brasil são os destinos da indústria. Vários analistas, políticos e líderes empresariais argumentam que o Brasil está se desindustrializando.

Utilizam, para isso, estatísticas de queda da participação do valor adicionado da indústria no PIB, queda da criação de emprego industrial, queda das exportações e crescente deficit comercial industrial, entre outras.

Sem dúvida, esses indicadores sugerem, no mínimo, tendência de estagnação.

Mas ainda é cedo para declarar que o Brasil se desindustrializou, e um conjunto de fatores sugere a necessidade de sermos mais cautelosos. Primeiro, indicadores mais sofisticados, como o de densidade industrial, e comparações internacionais sugerem que é preciso uma análise mais rigorosa. Baixa participação no PIB ou no emprego nem sempre implicam que a indústria seja marginal, tal como atestam os EUA.

Segundo, desindustrialização é um fenômeno de países nos quais outros setores econômicos ganharam proeminência como polos dinâmicos. O setor primário ou de serviços ainda não cumpre esse papel no Brasil, e a indústria ainda é quem mais gera impostos, impactos em outros setores e inovação.

Terceiro, a indústria brasileira passou por vários ciclos nas últimas décadas e mostrou fantástica capacidade de recuperação quando as condições melhoraram.

Quarto, as competências, infraestruturas, diversificação produtiva, capitais e instituições políticas de representação e de ensino profissional -condições para recuperar o dinamismo- ainda estão fortes e presentes.

Quinto, vêm emergindo e continuarão a surgir oportunidades para o desenvolvimento industrial, como pré-sal, PAC e Minha Casa, Minha Vida, sem falar no crescimento do mercado de consumo.

Além disso, políticas públicas voltadas para custos do capital e insumos, infraestruturas, tributos, treinamento e inovação influenciarão a competitividade da indústria.

Parece-nos assim mais razoável concluir que as estatísticas sugerem mais perda de dinamismo que desindustrialização.

A produção industrial mensal será divulgada nesta semana. É improvável que vejamos alguma mudança significativa na tendência. O acompanhamento do desempenho da indústria requer um conjunto mais amplo de indicadores, incluindo investimento, produtividade, atratividade dos empregos, rotatividade, inovação e comércio intraindústria. Quando esses estagnarem ou piorarem por um período longo, então será a hora de colocarmos as barbas de molho.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasil vive desindustrialização ou perda de dinamismo? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU