Só carros-pipa matam sede em cidades do Piauí

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A crise energética, a escolha europeia, e a “reviravolta russa”. Artigo de José Luís Fiori

    LER MAIS
  • A fantasia de Deus. Leonardo Boff e o Espírito Santo

    LER MAIS
  • As feridas cada vez mais abertas. As acusações da Unicef e da Oxfam

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Novembro 2012

São 215 dias sem chuva e 200 municípios em estado de emergência ou calamidade no Piauí. O nível dos reservatórios de água do Estado está abaixo de 30%. Segundo o governo, serão construídas 189 barragens no semiárido para amenizar os efeitos da estiagem, que deverá durar mais três meses. A solução é a compra de água de carros-pipa.

A reportagem é de Luciano Coelho e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 11-11-2012.

Com os poços secos, 8 mil litros de água chegam a custar até R$ 300 - muito dinheiro até para quem tem condições de pagar. Em Jaicós, na região de Picos, apenas dois poços abastecem 18 mil habitantes; em Queimada Nova, resta só um poço para 8,5 mil pessoas.

Em Queimada, a maioria da população compra água da Serra da Umburana, a 40 quilômetros. Os carros-pipa cadastrados não podem comercializar mais do que 2 mil litros d'água por dia, o que compromete o abastecimento até mesmo para quem quer pagar. "Aqui saímos a procura dos donos dos carros e negociamos. Só que geralmente eles já estão com a cota de 2 mil litros comprometida por cinco dias", diz o aposentado José Neto.

Nas fazendas

A seca tem afetado também os moradores da zona rural. Segundo o presidente da Federação da Agricultura do Piauí, Carlos Augusto Carneiro, mais de 550 mil cabeças de gado já morreram por causa da estiagem - um terço do rebanho.

Carneiro disse que os criadores vendem o patrimônio para conseguir recursos para comprar alimento para os rebanhos. "Estamos sem saber o que fazer, porque não temos condições de manter os animais assim. Vendi uns terrenos para comprar milho e algodão para dar aos bichos para eles não morrerem", conta Carneiro, que tem uma fazenda com mil cabeças de gado e mil de caprinos.

A Secretaria de Desenvolvimento Rural do Estado suspendeu a vacinação contra febre aftosa porque o rebanho estava muito debilitado e poderia não resistir à vacina. Para socorrer os criadores, o governo do Piauí anunciou a distribuição de milho com preço subsidiado para tentar salvar os rebanhos

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Só carros-pipa matam sede em cidades do Piauí - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV