Potencialidades e limites do Sínodo. Artigo de Alberto Melloni

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A guerra de Putin e Kirill. “O pluralismo religioso nunca foi um problema para a democracia, mas hoje o pluralismo ético moral é para as democracias.” Entrevista com José V. Casanova

    LER MAIS
  • Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Das cinzas da hiperglobalização pode surgir uma globalização melhor. Artigo de Dani Rodrik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Outubro 2012

O Sínodo acaba compensando a falta de colegialidade e dando o sentido do que a Igreja pensa sobre os seus grandes problemas.

A análise é Alberto Melloni, historiador da Igreja italiano, professor da Universidade de Modena-Reggio Emilia e diretor da Fundação João XXIII de Ciências Religiosas de Bolonha. O artigo foi publicado no jornal Corriere della Sera, 29-10-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Mais uma vez, o Sínodo mostrou as potencialidades e os limites desse instrumento. Por um lado, ele decepciona a colegialidade definida no Vaticano II: aquela que dá a todos os bispos um poder sobre a Igreja universal a ser exercido em comunhão com Pedro e do qual em um Sínodo meramente consultivo não há nenhum vestígio. Por outro, justamente porque é o único substituto disponível daquela colegialidade, o Sínodo acaba compensando a sua falta e dando o sentido do que a Igreja pensa sobre os seus grandes problemas.

Por trás da agenda desse Sínodo, que tinha como tema a nova evangelização – que será mais ou menos como a velha: seguir nus o Cristo nu –, estavam dois objetivos políticos de alto grau. Um era o de fazer com que o Sínodo dissesse que a nova evangelização é a tarefa dos novos movimentos. O outro, dizer a angústia trêmula das Igrejas ocidentais, neurotizadas pela minoridade e pela sua anemia evangélica, é uma prioridade global. Objetivos fracassados. As muitas vozes que se alternaram e que, depois do pandemônio do "Vatileaks", seria razoável fazer ouvir sem filtros, deram a todos um sentido mais amplo dos problemas.

Assim, o Sínodo tornou-se a balança de estilos muito diferentes entre si: como o do cardeal Vuerl, que, na abertura, se permitiu falar de tsunamis diante dos bispos da Ásia para fazer uma metáfora de efeito; ou o do prepósito geral Adolfo Nicolás, que falou do Oriente com uma profundidade usual somente para ele; ou o do cardeal Betori, que presidiu a crucial comissão sobre o texto final do Sínodo.

E o clima sinodal acompanhou e talvez favoreceu coisas relevantes: a celebração do cinquentenário do Vaticano II, seis novos cardeais, a corajosa abertura para o diálogo com a China do cardeal Filoni, um retoque nas competências da cúria. Saiu-se confirmado um velho ditado: segundo o qual, na Igreja, para os problemas difíceis, é preciso a autoridade, mas para aqueles dificilíssimos é preciso a comunhão. Uma comunhão que, no saldo da horinha de "discussão livre" concedida aos bispos em sínodo, ainda espera um "salto à frente" que Roma ainda poderá adiar, mas no máximo por alguns séculos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Potencialidades e limites do Sínodo. Artigo de Alberto Melloni - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV