Manobras para a eleição do Papa copta no Egito

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “Da crise não se sai sozinho. Se sai arriscando e dando a mão ao outro”. Entrevista com o Papa Francisco

    LER MAIS
  • A liturgia e o desejo de comunhão: sobre “Desiderio desideravi” do Papa Francisco

    LER MAIS
  • “A sinodalidade é um processo dinâmico que nunca termina”. Entrevista com Dom Luis Marín de San Martín

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 17 Outubro 2012

Nas próximas semanas deverá ser finalizado o complicado e lento processo para a escolha do Papa dos coptas, depois do falecimento de Shenouda III, na primavera deste ano. Enquanto isso, foi publicada a lista dos cinco possíveis candidatos que serão reduzidos para três, terna da qual sairá o nome da suprema autoridade religiosa que guiará os 10 milhões de coptas no Egito da Fraternidade Muçulmana.

A reportagem é de Marco Tosatti e está publicada por Vatican Insider, 15-10-2012. A tradução é do Cepat.

Com uma manobra inesperada, algumas personalidades da Igreja copta ortodoxa foram excluídas da eleição papal pelo comitê eleitoral. A notícia foi dada há alguns dias pelo bispo Pachomius, que tem as funções do patriarca enquanto se elege o novo sucessor de Shenouda III. O escolhido será nomeado Papa e Patriarca de Alexandria e de toda a África na Santa Sé Apostólica do Evangelista São Marcos.

Os cinco atuais candidatos são: os bispos Tawadros, que tem o título de bispo auxiliar da diocese de Beheria, e Rafael, que é bispo assistente do Cairo central; e os monges Rafael Ava Mina, Pacomio al-Soriany e Saravim al-Soriany. Foi excluído da eleição o bispo Bishoy, secretário do Santo Sínodo e bispo metropolitano de Damieta. Bishoy tem uma posição muito importante, como secretário do órgão religioso mais elevado na hierarquia, o Santo Sínodo. É um dos membros mais idosos entre os que formam o Sínodo, e a ancianidade era considerada, até agora, um dos principais fatores na tradição da Igreja copta.

O bispo Bishoy protagonizou uma polêmica com o mundo muçulmano em 2010, porque colocou em dúvida a autenticidade de alguns versículos do Corão, fato que provocou (naturalmente) muitíssimas discussões e o converte em uma figura difícil para as relações com a religião majoritária no país. Escolher Bishoy como Papa seria interpretado como uma eleição contra o Islã em um momento em que se multiplicam os atos de violência e de intolerância em relação aos cristãos.

Também ficou de fora da lista o bispo Youannes, que é o bispo assistente e secretário patriarcal na residência do Patriarca no Cairo. Youannes era muito próximo ao falecido Papa Shenouda III. Sua exclusão poderia significar uma vontade de eliminar a “linha” do patriarca anterior. Segundo a tradição da Igreja copta, a seleção final se fará seguindo uma terna. Uma criança, com os olhos vendados, tirará um dos nomes de uma urna, seguindo a tradição estabelecida por um decreto presidencial, em 1957.

De 19 a 21 de novembro, a Igreja copta fará um jejum; no dia 24 de novembro, 2.405 eleitores irão escolher três dentre os cinco atuais nomes. Haverá outro jejum de 26 a 29 de novembro. No dia 02 de dezembro, os três nomes dos candidatos restantes serão colocados em uma urna sobre o altar da catedral de São Marcos em Abbasiya durante uma cerimônia religiosa, e uma criança tirará o nome do novo Papa dos coptas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Manobras para a eleição do Papa copta no Egito - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV