Massacre do Carandiru. Perplexidade e indignação depois de 20 anos

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS
  • Pedofilia, relatório sobre a diocese de Ratzinger: 497 vítimas. O Papa Emérito é acusado de negligência em 4 casos. Santa Sé: “Vergonha”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Outubro 2012

"Perplexidade e indignação ocorrem, hoje, ao se constatar que, passadas duas décadas, a ação penal proposta pelo Ministério Público de São Paulo, para apuração da responsabilidade criminal pela chacina, ainda não foi julgada, ocasionando a permanência de uma inaceitável impunidade que, como se sabe, é estímulo à violência", afirma nota da Comissão Brasileira de Justiça e Paz, organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), divulgou hoje (04), sobre 20 anos do massacre do Carandiru.

Eis a nota.

Há vinte anos, no dia 2 de outubro, o Brasil assistiu, estarrecido, ao massacre que vitimou 111 presos na Casa de Detenção de São Paulo, conhecida como Carandiru. O massacre foi perpetrado por tropa integrante da Polícia Militar de São Paulo que em operação inaceitável a pretexto de conter motim de detentos, em que não haviam sido feitos reféns, invadiu o Pavilhão 9 do presídio e assassinou, sem chance de defesa, presidiários desarmados, como ficou demonstrado no inquérito instaurado pela Portaria n. 00488 de 07/10/91do Ministro da Justiça, na qualidade de Presidente do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana.

Mais perplexidade e indignação ocorrem, hoje, ao se constatar que, passadas duas décadas, a ação penal proposta pelo Ministério Público de São Paulo, para apuração da responsabilidade criminal pela chacina, ainda não foi julgada, ocasionando a permanência de uma inaceitável impunidade que, como se sabe, é estímulo à violência.

A Comissão Brasileira Justiça e Paz, organismo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB vem cobrar do Poder Judiciário e do Ministério Público, a quem o processo está submetido, a adoção das providências urgentes para que seja julgada a ação penal, fazendo-se Justiça.

Brasília – DF, 04 de outubro de 2012

Pedro Gontijo

Secretário Executivo da
Comissão Brasileira Justiça e Paz
Organismo da CNBB

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Massacre do Carandiru. Perplexidade e indignação depois de 20 anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV