Paraguai. Comissão internacional constata que polícia atirou primeiro

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Setembro 2012

O primeiro tiro partiu de arma de fogo para matar o líder sem terra Avelino Espínola no massacre de Curuguaty, que resultou na morte de 17 camponeses e policiais em 15 de junho passado. A chacina foi usada para a destituição do presidente Fernando Lugo, uma semana depois.

A informação é publicada pela Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC), 17-09-2012.

A conclusão consta em relatório preliminar preparado por missão internacional que se instalou, de 5 a 9 de setembro, em Curuguaty para ouvir testemunhas da chacina e apurar responsabilidades. O relatório será encaminhado à Organização das Nações Unidas e à Organização de Estados Americanos.

A representante da organização de mulheres Conamuri, que integrou a comitiva internacional, anunciou, em coletiva de imprensa na segunda-feira, 10, os fatos que levantaram na localidade.

"Diante da maciça presença de policiais e dos primeiros disparos, muitas pessoas fugiram do local para salvar suas vidas, escondendo-se", lê-se no relatório. Mais adiante, o documento destaca que os camponeses foram cercados em duas frentes, uma pela rota 10 e outra pela estância "La Paraguaya", de propriedade de um brasileiro, de onde decolou o helicóptero.

Sem indícios de provas, 54 camponeses foram indiciados judicialmente, acusados de cometerem sete crimes. Da lista de indiciados constam inclusive pessoas que sequer estavam no local da chacina.

Integraram a comitiva internacional representantes da Via Campesina, do Grupo de Investigação em Direitos e Sustentabilidade da Cátedra Unesco da Universidade Politécnica da Catalunha, da Rádio Mundo Real, e de organizações paraguaias.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Paraguai. Comissão internacional constata que polícia atirou primeiro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU