No Mercosul, fator político venceu jurídico, diz Mujica

Mais Lidos

  • O Papa: as paróquias devem ser comunidades próximas, sem burocracia. Vídeo do Papa

    LER MAIS
  • "Vou para Roraima em espírito de serviço e de prontidão para aquilo que Deus quer". Entrevista com Dom Evaristo Spengler

    LER MAIS
  • Por um ‘Tribunal Russel’ sobre o genocídio Yanomami. Artigo de Tarso Genro e Marcelo Carneiro da Cunha

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Cesar Sanson | 05 Julho 2012

O presidente do Uruguai, José Mujica, diz que a entrada Venezuela no Mercosul, à revelia do suspenso Paraguai, foi tomada em consenso pelos sócios numa reunião em que o fator "político superou longamente o jurídico".

A reportagem é do jornal Folha de S.Paulo, 05-07-2012.

Mujica matizou, assim, declarações de seu chanceler, Luis Almagro, que afirmou que o Uruguai se opôs à adesão imediata do país de Hugo Chávez ao bloco e que só cedeu por pressão do Brasil.

"Apesar de ser correta [a informação] de que quem pediu a reunião [privada de presidentes] foi Dilma, estivemos de acordo os três", disse ao uruguaio "La República".

Ao contrário de seu chanceler, Mujica não disse que a adesão é passível de questionamento legal porque se deu sem o Senado do Paraguai -suspenso do Mercosul após o impeachment-relâmpago de Fernando Lugo no dia 22.

"O Senado que há cinco anos vem zombando de nós, negando a entrada da Venezuela com argumentos imorais, agora tira o presidente. Por isso decidimos não mais validar essa manipulação."

O Brasil diz que a adesão do país caribenho é "irreversível" e que não há possibilidade de contestação jurídica.

Mujica não citou as declarações de seu vice-presidente, Danilo Astori, que chamou de "ferida" institucional a adesão. Ex-ministro da Economia e ex-pré-candidato à Presidência, o moderado Astori é um rival de Mujica na governista Frente Ampla.

Paraguai

Ontem, o chanceler paraguaio, José Fernández Estigarribia, disse que Assunção denunciará ante os tribunais do Mercosul, sediados na capital, a "série de violações" aos direitos do país cometidos por seus sócios no bloco.

Um dia após voltar a acusar a Venezuela de tentar sublevar os militares paraguaios em defesa de Lugo, o governo Federico Franco anunciou também a retirada de seu embaixador de Caracas. A Chancelaria paraguaia também declarou "persona non grata" o representante venezuelano em Assunção.

A segunda medida, porém, é inócua. Em reação ao impeachment de Lugo, Chávez já havia ordenado o retorno de seu embaixador a Caracas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

No Mercosul, fator político venceu jurídico, diz Mujica - Instituto Humanitas Unisinos - IHU