Nigéria: ''Um extermínio sistemático. A estratégia é provocar uma guerra civil''

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • Presbíteros sinodais: comunhão, participação e missão. Artigo de Eliseu Wisniewski

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Junho 2012

"Este não é um pequeno episódio, mas sim um extermínio sistemático. Se morre um ser humano, morre o mundo. Mas aqui quantos homens, mulheres e crianças estão perdendo a vida?".

A reportagem é de Marco Ansaldo, publicada no jornal Corriere della Sera, 18-06-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

De Nápoles, onde, como fundador da Comunidade de Santo Egídio, ele organizou junto com a arquidiocese um congresso sobre os amigos dos pobres, Andrea Riccardi acompanhou com apreensão as notícias provenientes da Nigéria. A África é um continente ao qual o ministro italiano para a Cooperação Internacional e para Integração presta uma atenção particular.

"Porque esse é um país complexo. Um grande Líbano de convivências entre cristãos e muçulmanos com uma fragmentação forte, não resolvida pelo federalismo. Um país rico em petróleo, mas também de grandes pobrezas. Onde o movimento fundamentalista islâmico de Boko Haram quer fazer a limpeza".

"Porque são cristãos. Porque atingi-los gera notícia no mundo. E porque os muçulmanos querem a hegemonia em uma jihad anticristã. Uma situação explosiva".

Eis a entrevista.

E todos os domingos as igrejas passam a ser alvo.


Os cristãos se tornam uma presa fácil. Ao bispo de Jos os seus fiéis dizem: "Não devemos nos armar". Mas hoje me chamou atenção o fato de que, por parte dos cristãos, houve uma resposta.

Os atentados desencadearam represálias contra os muçulmanos, linchados e mortos no local.

As represálias devem ser sempre condenadas. É claro que existe o direito de uma legítima defesa, e ninguém pode pedir que os cristãos sejam martirizados. Mas os Boko Haram quer provocar uma frente anticristã que hegemonize os muçulmanos nigerianos locais. O que a Al Qaeda fazia em uma escala maior. Esses cristãos aparecem como vítimas-cordeiro: as crianças mortas, no momento mais sagrado da função religiosa. Enfim, uma situação que corre o risco de dividir a Nigéria. Essa é a estratégia perversa dos Boko Haram: atingir os cristãos e provocar uma guerra civil. Além disso, no Mali do Norte, constituiu-se um Estado islâmico. Depois, também foram atingidos locais muçulmanos e as escolas. É evidente que a Nigéria não consegue fazer com que a ordem seja respeitada e proteger as minorias.

O padre Federico Lombardi fala de ataque "inaceitável". A Santa Sé pode agir de algum modo?

Eu acredito que a Santa Sé não tem os instrumentos operacionais para fazer isso. Mas ela convoca, como é justo fazer, a comunidade internacional e a Nigéria a assumirem suas responsabilidades.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nigéria: ''Um extermínio sistemático. A estratégia é provocar uma guerra civil'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV