Direitos da Mãe Terra estarão nos debates de Rio+20

Mais Lidos

  • Papa Francisco: conservadores assustados com a possível escolha de um jovem bispo progressista para o ex-Santo Ofício

    LER MAIS
  • “Foi ele (Bolsonaro) que matou”, denuncia Davi Kopenawa

    LER MAIS
  • O Papa pede "cuidar das homilias, porque são um desastre" e que não ultrapassem dez minutos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

28 Abril 2012

Depois de meses de negociação, a delegação boliviana conseguiu que o G77+China, grupo que a Bolívia integra junto com países em desenvolvimento mais o gigante asiático, incorporasse o tema da Mãe Terra em sua proposta de negociação com vistas à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que terá lugar no Rio de Janeiro, de 20 a 22 de junho.

A reportagem é publicada pela Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC), 27-04-2012.

O tema entra, dessa forma, na agenda de debates do encontro no Rio, informou o chefe da delegação do Estado Plurinacional da Bolívia, René Orellana. “É importante ter presente que as negociações não concluíram e que não existem regras rígidas para incluir textos, assim que a Bolívia segue introduzindo textos à medida que avança o processo e nos acercamos da realização da Cúpula”, justificou.

O delegado boliviano informou que o documento do G77+China incluem questões de direito humano sobre a água, harmonia com a natureza, enfoque holístico, segurança alimentar, reconhecimento do papel dos povos indígenas na conservação das sementes, agrobiodiversidade e respeito ao meio ambiente.

O documento frisa, ainda, a vulnerabilidade em que se encontram as montanhas, lar de povos indígenas, ante a mudança climática, a necessidade de uma profunda reforma do sistema e da arquitetura financeira global e a transformação dos padrões insustentáveis de consumo e produção. O texto aponta que as estratégias de crescimento econômico baseadas no mercado são insuficientes, não garantem um crescimento econômico equitativo e não resolvem os problemas de pobreza, saúde, educação, emprego pleno.

A Mãe Terra representa a interdependência que existe entre os seres humanos e outras espécies de vida no planeta, explicou Orellana.  O documento reivindica que seja salvaguardado o funcionamento dos ciclos naturais do sistema da Terra que produzem a vida no planeta.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Direitos da Mãe Terra estarão nos debates de Rio+20 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU