Pentecostalismo tem contribuições à paz, mas precisa aprofundar sua teologia, diz arquiteto

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS
  • Pedofilia, relatório sobre a diocese de Ratzinger: 497 vítimas. O Papa Emérito é acusado de negligência em 4 casos. Santa Sé: “Vergonha”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Março 2012

“O movimento pentecostal pode ajudar a recuperar o conceito de Shalom para entender melhor as práticas de paz que precisamos”, disse o teólogo mexicano Daniel Chiquete Beltrán, ao apresentar, esta semana, seu livro “Haciendo camino al andar: siete ensayos de teología pentecostal (Fazendo o caminho ao andar: sete ensaios de teologia pentecostal)”, no Instituto de História da Universidade Centro-Americana.

A reportagem é de Trinidad Vásquez e publicada pela Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC), 30-03-2012.

O autor revelou que as sete confissões teológicas nasceram da solidão que enfrentou na Alemanha. “Isso ajudou-me a refletir sobre a vida numa direção ética”, relatou.

O historiador e teólogo William Ulises Rodríguez comentou o texto. Disse que se trata de uma valiosa obra que dá entusiasmo ler para entender o movimento pentecostal que continua avançando na região latino-americana. “Parte do sucesso do pentecostalismo foi criar missões alternativas para atender crentes ansiosos de uma palavra consoladora”, assinalou.

O teólogo mexicano revelou que descende de uma família católica, mas que se converteu  ao pentecostalismo. Relatou que adora escrever escutando música e declarou-se admirador das canções da cantora ambientalista Katia Cardeal, da Nicarágua.

“O livro reflete minhas experiências humanas e como crente com sede de Deus”, comentou. É amante do diálogo e disse que praticou-o com em igrejas luteranas da Alemanha, onde estudou teologia. Admitiu que o pentecostalismo tem que se aprofundar mais na teologia, apoiando-se na ajuda das ciências sociais. “Temos uma memória histórica muito pobre e corremos o risco de perdê-la”, reconheceu Chiquete Beltrán, convidado pelo Centro Inter-Eclesial de Estudos Teológicos e Sociais (CIEETS) a dar conferência junto com o teólogo portorriquenho Carmelo Alvarez.

Chiquete Beltrán doutorou-se em Teologia pela Universidade de Hamburgo e ministrou aulas na Universidade Bíblica Latino-Americana, da Costa Rica. Ele é tem curso de Ciências Bíblicas com ênfases em Novo Testamento e é bacharel em Arquitetura pela Universidade Autônoma de Sinaloa, México. Foi diretor de Estudos da Missionsakademie da Universidade de Hamburgo e, atualmente, é o coordenador do curso de mestrado em arquitetura e urbanismo, além de professor de ética e estudos humanísticos do Instituto de Estudos Superiores de Monterrey, e também professor e diretor do Centro Bíblico de Teologia de Sinaloa.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pentecostalismo tem contribuições à paz, mas precisa aprofundar sua teologia, diz arquiteto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV