Grupo antirracismo faz protesto surpresa no Pátio Higienópolis

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Arquidiocese italiana permite que católico transgênero seja crismado sob novo nome

    LER MAIS
  • O novo humanismo do Papa Francisco: ser pessoas normais, concretas, simples, com o pé no chão

    LER MAIS
  • A força transformadora da escuta hospitaleira e convivial

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Fevereiro 2012

"A população preta só entra aqui para limpar o chão", disse ontem uma das lideranças de uma marcha antirracismo, seguido por cerca de 300 manifestantes dentro do shopping Higienópolis, no centro de São Paulo.

Com bandeiras e faixas, o movimento saiu do largo Santa Cecília, escoltado pela polícia militar e pela CET. Subiram a avenida Higienópolis e, sem que a polícia ou seguranças esperassem, entraram de uma só vez pelos corredores do shopping.

A reportagem é de Ricardo Schwarz e Vanessa Correa e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 12-02-2012.

Assustados, frequentadores correram para as lojas, e muitas delas fecharam as portas entre as 16h e 17h.

O movimento, liderado pelo Comitê Contra o Genocídio da Juventude Negra, invocou causas diversas no protesto.

Criticaram a reintegração de posse na favela do Pinheirinho, a ação na cracolândia e casos como o de uma funcionária da escola Anhembi Morumbi, no Brooklin (zona sul), que alega ter sido pressionada a alisar os cabelos.

Wilson Honório da Silva, coordenador do Movimento Nacional Quilombo Raça e Classe, diz que o shopping foi escolhido para a manifestação por ser, segundo ele, um símbolo das consequências do racismo.

"Estamos apenas fazendo um alerta porque este espaço representa tudo que oprime os negros".

OPINIÕES DIVIDIDAS


A manifestação surpresa dividiu opiniões entre frequentadores do shopping. A arquiteta Ivani Lo Turco, 58, desaprovou completamente.

"Achei ridículo. Afinal de contas, esse negócio de racismo onde é que está?"

Questionada a respeito a declaração dos manifestantes sobre a pequena quantidade de negros dentro do estabelecimento, Ivani discordou enfaticamente: "Você viu a quantidade de seguranças negros, de empregados?".

O frequentador Leandro Wajid, 80, porém, apoia o protesto. "Eles [manifestantes] falam que está tendo racismo e é verdade. Esse shopping deveria ser misto, mas só tem branco".

SHOPPING

A assessoria de imprensa do shopping Higienópolis afirmou, por meio de nota, que "a manifestação foi pacífica e apenas observada de longe pelos seguranças".

Disse, ainda, que "atribui a escolha do local à proximidade com a cracolândia" e pela repercussão por ser um bairro de destaque na mídia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Grupo antirracismo faz protesto surpresa no Pátio Higienópolis - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV