Se houver fracasso em Durban, danos do aquecimento global serão maiores

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Estados Unidos são uma ameaça à paz mundial e a seus cidadãos. Entrevista com Noam Chomsky

    LER MAIS
  • Misericórdia. O funeral negado a Welby: Zuppi remedia à vergonha da Igreja de Ruini

    LER MAIS
  • Terça-feira, 9 de agosto de 2022. 80º Aniversário do Martírio de Edith Stein

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Dezembro 2011

 

Centenas de manifestantes na África do Sul formam a imagem de um leão para protestar contra o aquecimento global Foto: Shayne Robinson/Greenpeace/Reuters

Membro do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPPC, em inglês) e professor da Coppe/UFRJ, Emilio La Rovere participa em Durban, África do Sul, da Conferência do Clima (COP-17), de onde faz um alerta: sem acordo, os impactos das mudanças climáticas serão mais acelerados.

A entrevista é publicada pelo jornal O Globo, 09-12-2011.

Eis a entrevista.

Como o senhor recebeu a proposta brasileira de começar a negociar um acordo para 2020?

O Brasil está disposto a aceitar compromissos vinculantes para 2020, desde que todos os países façam o mesmo, de forma a conseguir um resultado que seja significativo na direção de estabilizar a concentração de gases-estufa e a temperatura em um nível razoável. Essa posição, ao meu ver, é correta. O Brasil assume um papel de liderança no sentido de uma economia verde. E tem todas as condições de conseguir vantagens competitivas importantes em uma economia de baixo carbono.

A COP-17 será um fracasso?

Sentimos um ambiente mais construtivo do que em Copenhague (COP-15, realizada há dois anos). Há mais diálogo. A União Europeia, o Brasil e a China estão tendo uma posição melhor, mas os Estados Unidos sequer aderiram ao Protocolo de Kyoto. Além disso, outros países, como Japão, Canadá e a Rússia, abandonaram o tratado.

Haverá acordo em Durban?

Haverá intensas negociações, que vão varar a noite. Só mesmo no final será possível avançar ou não. A Rio+20 (conferência que será realizada em junho no Brasil) pesa muito. Novamente há um receio grande de que uma sensação de frustração em relação ao Durban contamine o ambiente para a Rio+20. Vejo que ainda há esperança para um acordo razoável.

A proposta do Brasil poderá reverter a falta de acordo?

O desafio que o Brasil lançou para outros países dificilmente será realmente aceito. Mesmo assim, o país está no seu papel: colocar para opinião pública quem são os responsáveis por não se chegar a um acordo. Sem Estados Unidos, Rússia, Japão e Canadá não há condições mínimas de chegar ao que o Brasil está propondo.

Como o senhor analisa o "kiotinho"?

No fundo, não há diferença tão grande entre os objetivos voluntários de cada país com o acordo legalmente vinculante (do Protocolo de Kyoto). E, desde que o protocolo foi aprovado, as punições para o não cumprimento das metas é branda. Geralmente é dar mais prazo. O que está se tentando é manter a estrutura de Kyoto. A proposta da Europa de prorrogá-lo até 2015 daria mais três anos para negociações. Até lá, é evitar deserção maior de países e obviamente esperar por tempos melhores, com a recessão econômica já superada.

A recessão não diminui as emissões?

A recessão diminui a atividade econômica, mas inibe os investimento em tecnologia eficiente. Simulação de cenário do IPCC mostra que a recessão não ajuda.

Há tempo para tantas negociações, considerando os impactos do aquecimento global?

Já perdemos dois anos (desde a Convenção do Clima de Copenhague), a probabilidade é relativamente pequena. O que significa aquecimento maior do que 2 graus e, portanto, uma curva de danos maior. Os impactos começam a ser acelerados. E há risco de efeitos que realimentem o fenômeno, como o degelo do Ártico e a destruição da Tundra, liberando uma quantidade de carbono enorme. Os impactos serão cada vez maiores.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Se houver fracasso em Durban, danos do aquecimento global serão maiores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV