"Nós temos que alterar as análises de risco’, diz oceanógrafo

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • Wim Wenders, Dias Perfeitos – 2023. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

20 Novembro 2011

O vazamento da Chevron, que ocorreu em fissuras de uma fenda no leito do oceano, deve mudar os paradigmas da exploração de petróleo no Brasil. Essa é a opinião de David Zee, o oceanógrafo e professor da Uerj que atua como perito para a Polícia Federal no inquérito sobre este acidente. Ele afirma que a lição deste vazamento é que problemas como estes podem ocorrer em outras perfurações:

— O vazamento ocorreu em fissuras, microfissuras de uma fenda, que é uma fragilidade geológica do fundo do mar. Não fomos suficientemente cautelosos para prever este tipo de acidente. Ele com certeza fará parte do registro de acidentes e tem de ser incorporado às futuras análises de impacto ambiental, de análise de riscos de acidentes. Tem que haver simulações de diversos tipos de acidente e desenvolver protocolos específicos de salvaguarda.

A reportagem é de Henrique Gomes Batista e publicada pelo jornal O Globo, 20-11-2011.

O perito lembra que, sem um procedimento específico para este tipo de acidente, toda reação fica mais complexa:

— Não temos domínio completo sobre acidentes como este. Problemas além de 200, 250 metros são como se fossem um problema em outro planeta.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Nós temos que alterar as análises de risco’, diz oceanógrafo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU