Conjugar São Francisco e Diderot: o desafio de Kristeva

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

29 Outubro 2011

"Em Assis, eu não estarei mais no "Átrio" dos gentios, mas sim dentro, no templo. Esse é o símbolo de um caminho da Igreja e dos humanistas. É a indicação de um caminho ulterior e mais fértil". Julia Kristeva vive com emoção o seu papel inédito: será ela, entre mais conhecidos os intelectuais em nível internacional, que vai representar, com o seu discurso, os não crentes (quatro expoentes da cultura "secular", "prefiro dizer humanistas") presentes na peregrinação inter-religiosa de Assis, novidade absoluta do encontro atual.

A reportagem é de Lorenzo Fazzini, publicada no jornal dos bispos italianos, Avvenire, 27-10-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

E, no debate da tarde da última quarta-feira, 26, na Universidade de Roma Tre, a psicanalista francesa admitiu a sua "emoção" por essa presença: "São necessárias novas alianças e novas pontes entre crentes e não crentes: precisamos levar o Átrio à Igreja e a Igreja ao Átrio".

A referência é ao Átrio dos Gentios, espaço de diálogo entre crentes e ateus desejado por Bento XVI, organizado pelo cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício para a Cultura. Que nesta quarta-feira, na universidade romana, apresentou o seu primeiro livro publicado pela editora Donzelli, uma coleção de alguns textos de um congresso em Bolonha.

Ravasi lembrou que o diálogo foi uma perene prática eclesial: "Uma operação que sempre foi feita na história do cristianismo. Nós estamos unidos por causa da nossa descendência comum de Adão, um elemento que precede o pertencimento étnico e religioso. Todo homem olha para a terra, para o seu semelhante e eleva o olhar para Deus".

"Crentes e não crentes diante dos desafios da modernidade" foi o título da mesa redonda, prelúdio "ateu" e cultural de Assis. O Átrio, para o reitor Guido Fabiani, constitui uma "extraordinária estrutura de diálogo que segue o convite de João Paulo II, "a consciência generalizada da unidade" no gênero humano". E Giacomo Marramao, filósofo da política, reservou uma dura crítica aos "ateus e devotos. São figuras especulares. O ateu devoto Richard Dawkins quer demonstrar empiricamente a inexistência de Deus. Ao contrário, devemos pensar no homem nos termos de Pascal: aquele que supera infinitamente a si mesmo".

No processo de" reapropriação da memória da cultura europeia diante da crise atual" que Julia Kristeva deseja, desponta o profeta da morte de Deus: "Nietzsche nos pediu que colocássemos um ponto de interrogação em Deus e no homem. Nós temos a sorte de ter um papa filósofo: ele lembrou como o cristianismo é precedido pelo direito greco-romano e seguido pela Declaração dos Direitos Humanos".

O caminho comum entre quem crê e quem não crê, segundo Kristeva, foi traçado por Bento XVI "no seu Jesus de Nazaré, onde ele fala do homem como uma "singularidade indestrutível"". Uma tarefa aparece no horizonte: conjugar "São Francisco, humanista ante litteram" com a tradição dos vários "Erasmo, Diderot, Freud. Nós, humanistas – destacou a intelectual franco-búlgara – não podemos sempre nos orgulhar da razão depois que houve os gulag e o Holocausto. Temos a tarefa de inventar novas legislações. Mas atenção: o humanismo não é teomorfismo. Não devemos colocar o homem no lugar de Deus".

O debate continua em aberto: para Remo Bodei, filósofo não crente, "a religião é o maior projeto de oferta de sentido à humanidade. Assis testemunha a aproximação progressiva à verdade, hoje degradada a opinião. Mas o esplendor da verdade da qual falava João Paulo II é só da religião ou essa verdade tem um significado humano mais profundo?".

A resosta chega, implícita, de dois olhares inéditos e provocantes: Walter Baier se apresenta como "economista marxista pós-stalinista. Do stalinismo, aprendi que o caminho do futuro é o de pessoas que, de posições diferentes, constroem o futuro juntas". E, admirado, lembra os seus encontros com Chiara Lubich, fundadora dos Focolares.

E Guillermo Hurtado, pensador mexicano, identifica a continuação do Átrio (etapas futuras em Tirana, Palermo, Estocolmo, Barcelona): "É preciso que crentes e não crentes vão além da abertura para passar à aventura. Que consiste em ousar atravessar o corredor que passa entre a fé e o vazio".

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Conjugar São Francisco e Diderot: o desafio de Kristeva - Instituto Humanitas Unisinos - IHU