Legado de Jobs esconde seu lado obscuro

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “O populismo autoritário se apropria da linguagem da soberania popular”. Entrevista com Pierre Dardot

    LER MAIS
  • Pastor pede escusas por ter discriminado homossexuais

    LER MAIS
  • No feijão, retrato do libera-geral de venenos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Outubro 2011

Steve Jobs foi um gênio e visionário, como repetido à exaustão em textos e homenagens após sua morte. Mas, com um legado indiscutível, o executivo e a empresa criada por ele deixam um histórico de tropeços e atitudes não tão invejáveis como seus produtos.

A informação é do jornal Folha de S. Paulo, 12-10-2011.

"O que todo mundo é muito educado para dizer sobre Steve Jobs." Com esse título, o site norte-americano Gawker, que provocou a renúncia do deputado republicano Christopher Lee ao publicar sua foto enviada a um site de namoros, elenca fatos que revelam um lado mais sombrio de Jobs e da Apple.

Sob uma política voltada para proibir a reprodução de pornografia, a empresa baniu de iPads e iPhones conteúdo como guias para turistas gays, quadrinhos e panfletos de políticos, diz o site.

O veto aos funcionários sobre informar a mídia a respeito de novos produtos era levado ao extremo. Provocou perseguições aos trabalhadores e confiscos de seus aparelhos.

Em dois episódios, a Apple avançou sobre os jornalistas responsáveis por reportar novos produtos antes de seu lançamento. Em 2005, a empresa processou o blogueiro Nick Ciarelli por apresentar o Mac Mini. A ação levou ao fim da página. Já em 2010, um editor do site de tecnologia Gizmodo teve a casa invadida por policiais depois que o site publicou vídeo com o protótipo do iPhone 4. Relato da época de sua primeira atuação na Apple reproduzido pela "Fortune" revelaram o autoritarismo e o calor de uma discussão de Jobs com funcionários. "Alguém pode dizer o que o MobileMe deve fazer? (...) Então por que diabos não faz isso?"

O autor do livro "The Second Coming of Steve Jobs", Alan Deutschman, afirma que era comum funcionários ouvirem termos como "horrível" e "uma m..." sobre seus projetos.

Jobs também é criticado por não colaborar com projetos de caridade. Em seu retorno à Apple em 1997, ele interrompeu o programa filantrópico e nunca mais o retomou.

Não há também registros públicos de doações pessoais a despeito de uma fortuna estimada em US$ 7 bilhões.

CHINA

Fornecedores da Apple na China não deixam marca positiva no histórico construído por Jobs. A própria empresa reportou ter encontrado, em 2010, quase cem crianças nas fábricas, já conhecidas por jornadas de mais de 15 horas.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Legado de Jobs esconde seu lado obscuro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV