"A primavera árabe acabou", afirma jesuíta da Síria

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • É proibido esquecer Auschwitz e o maior roubo da história

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Agosto 2011

O padre Paolo Dall`Oglio, do mosteiro de Mar Musa, relata à Rádio do Vaticano a dor pelo massacre de Hama.

A reportagem é do sítio Vatican Insider, 01-08-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Do mosteiro sírio, o padre jesuíta comentou os massacres cometidos pelo exército na Síria, afirmando que "o país não deve ser dividido, senão morre".

"Há um imenso sofrimento por parte de todos, porque o uso da violência é uma tragédia para aqueles que a sofrem e para quem assume a sua responsabilidade moral".

"Estamos em uma profunda angústia pelo futuro do país, no momento em que, neste primeiro dia do Ramadã, gostaríamos de unir os nossos desejos, as nossas energias espirituais e as nossas esperanças para desejar alguma coisa diferente", disse o Pe. Dall`Oglio do seu mosteiro no deserto sírio.

O jesuíta, há muito tempo fortemente comprometido com o diálogo entre as fés, destacou amargamente que "a primavera árabe acabou: estamos em um verão quente". "Quem conseguiu realizar essa mutação em poucas semanas – explica – ganhou na loteria. A Síria e o Iêmen são países caracterizados por uma complexidade sócio-cultural-religiosa e por outro motivos, assim como a Líbia. Esses países continuam no meio do caminho. Tudo se torna um parto estrangulado".

Segundo o Pe. Dall`Oglio, além disso, "a sociedade síria é uma sociedade fortemente caracterizada pelas filiações religiosas, étnicas e comunitárias. Por isso, os sírios estão muito ligados à sua unidade nacional, que pressupõe uma capacidade de transcender as filiações comunitárias e, portanto, verdadeiramente, de fundar a unidade nacional sobre um sentimento de comunidade de destino, de cultura comum, de história comum".

"Eu certamente acredito na Síria", acrescenta. "Não estamos na situação sudanesa. Aqui, devido a uma série de motivos, é oportuno que uma parte do país se constitua como uma realidade autônoma e independente. A Síria é um país que não deve ser dividido, porque, dividido, morre".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A primavera árabe acabou", afirma jesuíta da Síria - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV