Vigília, missa e caminhada lembram 18 anos da chacina da Candelária

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

22 Julho 2011

Uma vigília iniciada na noite ontem, seguida de missa e caminhada, relembrou a morte de crianças na porta da Igreja da Candelária, no centro do Rio. A ministra-chefe da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Maria do Rosário, pediu que “essa brutalidade, gravada significativamente na história da nossa cidade e do nosso País, nunca volte a acontecer".

A reportagem é de Antonio Carlos Ribeiro e publicada pela Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC), 22-07-2011.

A Igreja da Candelária ficou cheia de crianças e representantes de entidades dos direitos humanos. O padre Sérgio Marques iniciou a celebração dizendo que as tragédias no Brasil precisam ser lembradas. E agradeceu a Deus pelos 21 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
 
A "Caminhada em Defesa da Vida! Candelária Nunca Mais!", realizada hoje, contou com a presença de representantes da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa, integrantes de Organizações Não-Governamentais (ONGs) e da sociedade civil. Os manifestantes saíram da igreja e seguiram pela avenida Rio Branco até a Cinelândia. O objetivo era não esquecer as vítimas, a maior parte crianças, mortas por policiais na porta do templo.
 
Maria do Rosário lembrou das "mães de maio da Baixada Santista, das mães do Espírito Santo e das mães de Realengo", pedindo que elas "encontrem em Deus a força para seguir adiante". Pais e alunos da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, onde 12 crianças foram mortas este ano por atirador, ex-aluno, também participaram da vigília, da missa e da caminhada.
 
As seis crianças e dois adultos, moradores de rua, foram assassinados por policiais militares em 23 de julho de 1993, enquanto estavam dormindo. As investigações mostraram que um grupo de crianças e adolescentes assaltaram a mãe de um policial militar no dia anterior, mas não afastaram a hipótese de que os assassinos integravam um grupo de extermínio, cujo objetivo era "limpar" o centro histórico.
 
Eles abriram fogo contra mais de 70 crianças e adolescentes moradores de rua. Um dos sobreviventes do massacre, Sandro Barbosa do Nascimento, sequestraria o ônibus 174 em 12 de junho de 2000. Uma de suas reféns, usada como escudo durante o cerco policial, acabou morta.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vigília, missa e caminhada lembram 18 anos da chacina da Candelária - Instituto Humanitas Unisinos - IHU