Adoção de floresta transgênica em escala comercial sofre revés

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

03 Julho 2011

De volta à pauta oficial da indústria mundial de papel e celulose, a adoção em escala comercial de florestas geneticamente modificadas sofreu um primeiro revés na semana passada, durante a assembleia geral do FSC (do inglês Forest Stewardship Council), realizada na Malásia. Uma moção, apresentada pelo Instituto de Pesquisas e Estudos Florestas (Ipef), com apoio de companhias brasileiras, pedia a retomada dos debates sobre a exploração de florestas transgênicas, mas acabou barrada por parte dos membros do FSC. O principal órgão certificador de manejo sustentável proíbe a existência de organismos geneticamente modificados em áreas certificadas, mas a negativa não abalou as ambições da indústria.

A reportagem é de Stella Fontes e publicada pelo jornal Valor, 04-07-2011.

As grandes companhia de biotecnologia admitem que essa tecnologia não estará disponível para uso comercial no curto prazo, mas destacam que é necessário que as discussões e pesquisas avancem o quanto antes, sob o risco de o Brasil, hoje líder em melhoramento genético, ficar para trás na corrida pelo eucalipto transgênico. "Já estamos prontos para o mercado. Fizemos todos os testes de performance. Mas falta a regulamentação", disse o vice-presidente de estratégia e desenvolvimento da FuturaGene, Anthony Andrade.

No Brasil, a Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa), liderada por Elizabeth de Carvalhaes, também defende a retomada das discussões e o aval para ampliar pesquisas na área. Um dos argumentos apresentados por representantes da indústria é o que nos EUA os estudos estão adiantados e já caminham para o desenvolvimento de um tipo de eucalipto, geneticamente modificado, altamente resistente ao frio, o que tornaria a cultura possível em áreas hoje não exploradas. "O próximo passo do melhoramento genético é a biotecnologia", afirmou Andrade.

Dentre os pesquisadores da área florestal, é consenso que essa tecnologia deve ser debatida e testada. Contudo, poucos se arriscam a afirmar que a adoção comercial da transgenia deverá ocorrer no curto e médio prazos. O maior desafio está na regulamentação do assunto.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Adoção de floresta transgênica em escala comercial sofre revés - Instituto Humanitas Unisinos - IHU