"Uma cidade geriátrica seria terrível"

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Um bomba social por trás do Auxílio Brasil

    LER MAIS
  • O evangelismo empreendedor: o entrepreneurship na ação política das organizações não-governamentais transnacionais da nova direita

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga no caminho dos Padres da Igreja da América Latina. Artigo de Juan José Tamayo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Junho 2011

Joan Clos tem 62 anos e é médico, mas boa parte de sua vida profissional está ligada ao governo das cidades. Foi  ministro, mas, sobretudo, prefeito de Barcelona de 1997 a 2006, cargo que exerceu em simultaneidade com muitos outros como a presidência da Associação Mundial para a Coordenação das Cidades e Autoridades locais, a presidência do Comitê Assessor de Autoridades Locais de Nações Unidades e ainda a vice-presidência de Cidades e Governos Locais Unidos. Desde outubro de 2010, como secretario geral adjunto da ONU, dirige Habitat, organismo que, com sede em Nairobi, se ocupa da promoção em todo o mundo de cidades sustentáveis.

A entrevista feita por correio eletrônico foi concedida ao El País, 20-06-2011. A tradução é do Cepat.

Eis a entrevista.

A urbanização preocupa hoje mais do que a alimentação?

Mais de 1 bilhão de pessoas vive em condições terríveis em favelas e áreas de ocupação. A alimentação e a moradia são direitos fundamentais das pessoas e é preocupante que falte a um número elevado delas as duas coisas.

As cidades estão preparadas para absover o crescimento da população e da migração rural?

As cidades dos países desenvolvidos não estão crescendo em população. O problema existe em cidades que não passaram por um processo de industrialização e que não são capazes de oferecer às pessoas trabalho,  espaço de produtividade e geração de riquezas.

É melhor megalópolis ou cidades medianas?

Não há um tamanho ideal. O que se precisa é de uma cidade bem planejada e governada na qual a qualidade de vida das pessoas seja uma prioridade, na qual o urbanismo tenha uma função de melhorar a conectividade, evitar o congestionamento, procurar a eficiência energética, capaz de se financiar com o valor gerado pela economia da densidade e criar postos de trabalho.

É possível construir cidades sustentáveis com emissões zero?

Ainda não sabemos como construir uma cidade com emissões zero, mas o desenvolvimento das energias renováveis em escala massiva é a única solução. Os esforços, entretanto, estão no caminho de reduzir as emissões por habitante e por unidade de produto econômcio com uma cidade bem estruturada.

O Ocidente e mesmo a China avançam rapidamente para o envelhecimento de suas populações. Trabalha-se o cenário de cidades com essa perspectiva?

As cidades devem ser misturadas. Com serviços adequados e sustentáveis tanto economicamente como meio-ambientalmente para os jovens, maiores, os que trabalham, estudam e os que fazem tudo isso ao mesmo tempo. A beleza da cidade está na diversidade. Uma cidade geriátrica seria terrível.

A população da África se duplicará em três décadas. Como enfrentar esse boom?

65% dos africanos urbanos vivem em barracos e podem chegar a 80% nos próximos anos. Viverão sem água, sem luz e em péssimas condições de higiene. O favelismo é um problema em escala global e apenas medidas radicais poderão alterar essa terrível realidade. É preciso introduzir o planejamento urbanístico na África, o mesmo que se fez na Europa e na América durante a Revolução Industrial.

A globalização é positiva para o urbanismo?

A globalização está produzindo uma aceleração da urbanização não planejada que termina em favelismo. Gerações de jovens estão crescendo em slums [n.t: grande adensamento populacional em pequenos espaços, caracterizado por precárias moradias] com os riscos  e a perda de capital humano que isto representa para os países emergentes e os menos desenvolvidos.

A inovação tecnológica pode ajudar o urbanismo?

Se existe política urbana e capacidade política, a tecnologia ajuda, mas se não existe esta capacidade, a tecnologia frequentemente se converte em um falso instrumento de progresso que não ajuda e enfrentar os problemas de fundo.

Politicamente o tempo em que as cidades eram mais importantes que os Estados ficaram para trás?

Não se retorna literalmente para tempos passados. O que faz falta é um novo contrato entre o Estado-nação e a cidade, porque a importância econômica, social e cultural destas é inegável. Segundo o Banco Mundial, das 100 economias mundiais mais importantes, 37 são cidades.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Uma cidade geriátrica seria terrível" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV