Padres e quilombolas encerram greve de fome no MA

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “O populismo autoritário se apropria da linguagem da soberania popular”. Entrevista com Pierre Dardot

    LER MAIS
  • Pastor pede escusas por ter discriminado homossexuais

    LER MAIS
  • No feijão, retrato do libera-geral de venenos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Junho 2011

Dois padres e 17 quilombolas que haviam iniciado uma greve de fome na quinta-feira (9) em São Luís (MA) decidiram encerrar os protestos na noite desta sexta-feira (10).

A notícia é do portal do Jornal Pequeno, 10-06-2011.

Eles ocupam a sede do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) na capital maranhense há dez dias, junto de outros representantes de 40 comunidades quilombolas. O prédio deve ser desocupado ainda hoje.

Com a invasão e a greve de fome, os manifestantes tentavam chamar a atenção do governo para episódios violentos envolvendo líderes quilombolas em disputas de terras no Estado.

"Só esperamos o delegado chegar com um documento que nos garanta proteção policial para ir embora. A ocupação e a greve de fome acabaram", disse o padre Inaldo Serejo, que fez greve de fome durante um dia e coordenou as manifestações.

A CPT (Comissão Pastoral da Terra) divulgou ontem que 59 líderes quilombolas estão ameaçados de morte no Maranhão. Em 2010, o líder quilombola Flaviano Pinto Neto foi assassinado a tiros. No último dia 31 de maio, a casa de outro líder local foi alvo de três tiros.

Os manifestantes pedem que a Secretaria de Direitos Humanos, comandada pela ministra Maria do Rosário, garanta segurança aos quilombolas.

Segundo o padre Serejo, hoje pela manhã, Maria do Rosário falou com os quilombolas por telefone na tarde desta sexta.

A assessoria da secretaria confirmou a ligação e disse que a ministra avalia as reivindicações juntamente com o Ministério do Desenvolvimento Agrário, a Secretaria-Geral e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

Maria do Rosário também ligou para a governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), e pediu reforço no policiamento em comunidades quilombolas do Estado.

Conforme a secretaria, há uma indicação de visita de Maria do Rosário ao Maranhão no dia 22. "A ministra se colocou à disposição para ir até o local em breve, junto com a ministra Luiza Bairros [Igualdade Racial]", disse a assessoria, por meio de nota.

BAHIA

Na Bahia, também terminou nesta sexta-feira a ocupação de pescadores e quilombolas à sede do Incra em Salvador, invadida pelos manifestantes na última segunda-feira (6).

"As conversas com o Ministério da Pesca não foram totalmente satisfatórias, mas evoluíram um pouco. Como já abrimos negociações decidimos encerrar a ocupação e sair do prédio", disse uma das coordenadoras do MPP (Movimento dos Pescadores e Pescadoras) da Bahia, Marizélia Carlos Lopes.

Entre as reivindicações da categoria estão renovação de barcos e a revisão de itens do Código Florestal que, segundo o MPP, ameaçam áreas importantes para os pescadores.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Padres e quilombolas encerram greve de fome no MA - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV