Conferência dos Bispos do Equador mantém silêncio sobre greve de fome do bispo de Sucumbíos

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Diante do nacionalismo da Grande Rússia, vamos reinventar o internacionalismo. Artigo de Pierre Dardot e Christian Laval

    LER MAIS
  • “Receber dinheiro para evangelizar de quem gera morte é contraditório”. Entrevista com Dom José Ionilton Lisboa de Oliveira

    LER MAIS
  • “Fratelli Tutti” coisa nenhuma. “Memorando” exorta que antes do conclave os cardeais releiam “Dominus Iesus”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Junho 2011

Dom Gonzalo López Marañón, bispo emérito de Sucumbíos, completa 14 dias [06 de junho] de jejum e oração pela reconciliação e a paz em Sucumbíos.

A reportagem está publicada no blog da Igreja de Sucumbíos - ISAMIS, 06-06-2011. A tradução é do Cepat.

Catorze dias, duas semanas, sem ingerir alimentos. Esta é a drástica medida adotada no dia 24 de maio passado pelo Bispo Emérito de Sucumbíos, dom Gonzalo López Marañón, de 77 anos de idade. Com seu jejum e oração diárias, dom Gonzalo quer sanar feridas e reconciliar a província onde passou 40 anos de sua vida e onde construiu, junto com a Ordem dos Carmelitas Descalços, a Igreja de San Miguel de Sucumbíos.

Na segunda-feira pela manhã e de maneira inesperada, o Presidente da República, Rafael Correa, chegou à barraca onde está alojado o Bispo, no Parque La Alameda de Quito. Uma visita privada, longe dos holofotes. É a segunda vez que o presidente visita o religioso.

Na última semana se solidarizaram com dom Gonzalo López Marañón os bispos de Aguarico, Riobamba, Santo Domingo de los Táschilas e o Bispo Emérito de Machala. Todos eles visitaram o Acampamento pela Reconciliação de Sucumbíos. Também Bispos da Guatemala, México, Costa Rica e Panamá expressaram seu apoio ao Bispo através de uma carta.

A Presidência da Conferência Episcopal do Equador, por sua vez, mantém um silêncio sepulcral sobre a ação protagonizada por um de seus mais antigos servidores. Tampouco da província amazônica chegam sinais de reconciliação e diálogo. Durante o fim de semana, se repetiram as procissões da Renovação Carismática em Nueva Loja para pedir o retorno dos Arautos do Evangelho. Esta ordem religiosa foi designada para administrar o Vicariato Apostólico de Sucumbíos em outubro do ano passado. Seu modelo de igreja e as ações abusivas que se produziram sob sua administração provocaram a sua saída da província seis meses depois de sua chegada.

Mais de 20 pessoas ainda constam de uma lista de acusados de serem terroristas organizados com a finalidade de causar lesões. A denúncia foi feita por membros dos Arautos em maio passado, após a tomada da Rádio Sucumbíos.

Neste sentido, a senhora Policarpa Pereira, que conhece o Bispo desde 1972, expressou, na missa de domingo – que se celebra diariamente em duma das barracas do acampamento –, que se sente indignada, mas impotente.

Durante este fim de semana, numerosas pessoas visitaram o Acampamento da Reconciliação armado em frente à Igreja de Belém. Entre elas, há grupos que representam as organizações de mulheres de Sucumbíos; também chegaram grupos representando os indígenas quéchuas e shuar, jovens e as Comunidades para a Igreja e o Mundo.

De acordo com médicos e a Cruz Vermelha, que atendem diariamente o Bispo, este perdeu pelo menos quatro quilos desde que começou a greve de fome, mas se mantém estável.

O governo de Sucumbíos começou esta semana uma campanha pelo rádio pela reconciliação.

Com o lema "Para curar feridas e reconciliar Sucumbíos", dom López Marañón, bispo emérito da província amazônica desde outubro do ano passado, se instalou em uma barraca no parque La Alameda, em Quito, em frente à Capela de Belém. O jejum se prolongará até que haja sinais claros de reconciliação entre a população.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Conferência dos Bispos do Equador mantém silêncio sobre greve de fome do bispo de Sucumbíos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV