"Assim vi os meus amigos morrerem entre as ondas"

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A arte da leitura. Artigo de Enzo Bianchi

    LER MAIS
  • Maria Madalena era realmente de Magdala? Duas pesquisadoras investigam isso

    LER MAIS
  • Tudo é vida. “A espiritualidade com a roupa do dia a dia”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Abril 2011

Desembarcam da lancha CP 301 da guarda costeira, parecendo cadáveres. Uma ambulância logo carrega um deles sem sinais de vida. Os outros descem da passarela para a doca Favaloro carregados pelos homens da Guarda de Finanças e da Guarda Costeira italianas. Estão vivos, mas exaustos. Descem envolvidos em cobertores térmicos, lâminas douradas que ressaltam ainda mais os rostos do sofrimento. São seis, mas estão salvos. Os outros 11 – e, dentre eles, um menino – estão mortos. Afogados no Canal da Sicília.

A reportagem é do jornal La Repubblica, 04-04-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Ibrahim, somaliano, cerca de 25 anos, não fala, está endurecido pelo frio, repete apenas "my friend is dead". Encaminha-se para o poliambulatório de Lampedusa.

No dia seguinte, ele não é mais um morto que caminha, veste um macacão e uma jaqueta, e conta: "Partimos em 17 de Misurata. Era de noite, e o mar estava tranquilo. Afastamo-nos e, durante horas, navegamos na escuridão giubbotto.

Ibrahim se detém por um instante e depois recomeça: "Ficamos no mar por oito dias. No quinto, o motor ficou avariado. No sétimo, chegaram as ondas, nos apertávamos uns contra os outros. Também estava conosco um menino de 5-6 anos. E, de repente, acabamos na água".

Eis a entrevista.

Mas enquanto isso vocês não viram mais ninguém?

No terceiro dia, um navio de guerra se cruzou conosco, falavam inglês [era um navio canadense envolvido nas operações perto das costas líbias]. Aproximaram-se de nós e nos deixaram ir embora.

Não lhes socorreram?

Não, apenas nos deram água e continuamos viagem.

E quando vocês caíram na água, o que aconteceu?

Não sei o que aconteceu. De repente, uma onda nos derrubou. Eu tinha uma garrafa de plástico presa na minha cintura. Outros se agarraram a pedaços do navio que se partiu em dois. Por quase um dia, ficamos assim, no meio do mar, com as forças que nos abandonavam minuto a minuto. O menino logo desapareceu no meio das ondas. Outros 10 se afogaram com o passar das horas.

Depois, Ibrahim lembra bem pouco. Um pesqueiro egípcio os salvou a 50 milhas de Lampedusa, deu o sinal de alerta, e a lancha CP 301 foi resgatar aqueles seis mortos que caminhavam.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Assim vi os meus amigos morrerem entre as ondas" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV