"A Tepco está cometendo muitos erros"

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

03 Abril 2011

Ele diz que o seu partido já havia avisado que a central de Fukushima era perigosa. Ryoichi Hattori, de 61 anos, é um dos deputados do Partido Social-Democrata do Parlamento do Japão e percorreu as zonas afetadas uma semana depois do terremoto e do tsunami do dia 11 de março.

A reportagem é do jornal El País, 03-04-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Como está a situação depois do terremoto e do tsunami em plena crise nuclear?

É uma grande catástrofe. O mais urgente é limpar os restos do tsunami, que as crianças voltem ao colégio e que se resolva o problema da moradia dos desalojados. As prefeituras de Miyagi e Iwate são muito montanhosas e muitos lugares continuam inundados. Nosso partido vinha advertindo sobre o perigo das usinas nucleares, porque o Japão sofre muitos terremotos e está superpovoado.

Como o senhor vê a situação em Fukushima?

É uma central de mais de 40 anos. A Tepco decidiu ampliar a sua vida, e nós éramos contra. Também éramos contra a utilização de plutônio em seu terceiro reator. Mas a Agência de Segurança Nuclear está integrada ao Ministério da Economia, e isso não pode acontecer. A segurança das centrais era laxa, e estão muito perto do mar. Fukushima só estava preparada para um tsunami de seis metros. Técnicos da planta e dos EUA [que forneceu os reatores] haviam advertido dos problemas de segurança. Esse não foi um desastre natural, mas sim um desastre provocado pelo ser humano.

O governo foi acusado de ocultar informação.

O governo, a Tepco e a Agência de Segurança Nuclear não levaram a sério o que ocorreu. Logo depois do terremoto, os diretores da agência disseram ao primeiro-ministro Naoto Kan que a central estava sob controle. O monitoramento da radiação e a investigação sobre o plutônio [detectado em vários lugares da planta] foram muito lentas, assim como a reação do governo.

O que vocês pedem ao Executivo?

Eu fui a Minamisoma, dentro da zona de 20 a 30 quilômetros ao redor da central em que o governo recomendou que as pessoas não saíssem às ruas. Mas a comida só chegava até os 30 quilômetros, porque os motoristas não queriam entrar ou a polícia não lhes deixava. Em um asilo, estavam 180 idosos e só quatro cuidadores. Queremos que seja ampliada a área de exclusão em função da radioatividade. E que se entregue iodo a todas as crianças em um raio de 300 quilômetros.

O governo está informando de forma adequada?

O governo tem que explicar o que está acontecendo. Pode haver mais danos do que se diz. Ele deveria propôr o pior cenário, não para espalhar o medo, mas sim para estar preparados.

Como o senhor vê o papel da Tepco?

É um papel criminoso. Ela cometeu muitos erros. Embora quebre, a Tepco deve indenizar todas as vítimas.

Que consequências políticas a crise deveria ter?

Deveriam demitir os responsáveis da Tepco, do Ministério da Economia e da Agência de Segurança Nuclear. Naoto Kan já deveria ter ido embora há muito tempo.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A Tepco está cometendo muitos erros" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU