Brasil vendeu veículos "antimotim" à Líbia

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco não é contra ‘novos movimentos eclesiais’, ele apenas favorece alguns em detrimento de outros

    LER MAIS
  • A síndrome do pensamento acelerado

    LER MAIS
  • Simone Weil: Uma carta de coração

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Fevereiro 2011

A polícia da Líbia tem equipamento "made in Brazil" para reprimir manifestantes: veículos projetados especificamente para a contenção de distúrbios.

A reportagem é de Ricardo Bonalume Neto e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 21-02-2011.

Os veículos foram entregues a partir de 2005 pela empresa então conhecida como O`Gara-Hess & Eisenhardt, filial brasileira da empresa americana especializada em blindagem de automóveis sediada em Alphaville, em São Paulo, e que hoje chama-se Centigon Brasil.

Os veículos são de diversos tipos. Há uma versão equipada com canhão de jato d`água para conter manifestantes. Outro serve para transportar policiais e tem seteiras para que possam atirar protegidos. E uma outra versão é usada para transportar presos.

Os caminhões blindados da encomenda líbia foram montados em um espaço que a empresa alugou nas oficinas do Arsenal de Guerra de São Paulo, do Exército, em Barueri (Grande São Paulo).

A Centigon, hoje controlada por uma holding com sede na Bélgica, também vende veículos blindados para transporte de valores e faz blindagem de automóveis civis. A empresa exportou veículos semelhantes para a Colômbia, Chile e Peru.

A filial americana é responsável pela blindagem dos "jipões" Hummer do exército dos EUA empregados no Iraque e Afeganistão.

O desenvolvimento de veículos blindados foi uma das áreas de maior expansão na indústria bélica americana por conta dos aparatos explosivos improvisados, a maior causa de mortes e ferimentos de soldados americanos no Iraque.

HISTÓRICO

A ligação da indústria bélica brasileira com a Líbia é antiga. Foi a venda ao país de 400 blindados de reconhecimento EE-9 Cascavel, armados com canhão de calibre 90 mm, nos anos de 1980, que deu o grande impulso à fabricante Engesa, de São Paulo.

A Líbia usou o Cascavel em disputas de fronteira no Chade e Egito. Os líbios também compraram da Engesa 180 veículos blindados de transporte de tropas EE-11 Urutu.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasil vendeu veículos "antimotim" à Líbia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV