Rose, a primeira mulher negra a tornar-se bispa anglicana

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Para ser ouvida, a Igreja precisa mudar de método. Entrevista com Jean-Claude Hollerich, relator do próximo Sínodo

    LER MAIS
  • Impulso feminino no neofascismo cristão de Bolsonaro: quatro cenas recentes de início do ano eleitoral

    LER MAIS
  • A Europa e a guerra da Ucrânia. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Julho 2019

Rose Hudson-Wilkin tornou-se sacerdote em 1994, assim que a Igreja Anglicana permitiu que as mulheres também exercessem essa função e, assim, esteve entre as primeiras. Na época jamais teria imaginado que ela também seria a primeira mulher negra a se tornar bispo. Para a mulher de 58 anos, de descendência jamaicana, foi confiada a liderança da diocese de Dover, uma cidade portuária no Canal da Mancha, e será consagrada em novembro, quando o reverendo Trevor Willmott se aposentar. "Eu não necessariamente me considero ‘um padre negro’, mas um padre com a sorte de ser negro", declarou após a nomeação.

A reportagem é de Alfonso Bianchi, publicada por La Stampa, 30-06-2019. A tradução é de Luisa Rabolini

"Nomeação revolucionária". O anúncio foi formalizado como de costume por Downing Street, enquanto simbolicamente no topo da Igreja Anglicana está a rainha, ou seja, o chefe de Estado, mas a proposta foi feita pelo Arcebispo de Canterbury, Justin Welby, a mais alta autoridade eclesiástica do anglicanismo, que definiu a nomeação de "histórica e revolucionária", elogiando a capacidade da mulher de estimular a própria igreja sobre o tema "da inclusão das minorias étnicas". Hudson-Wilkin cresceu em Montego Bay, onde vivia com o pai e a tia depois que sua mãe foi trabalhar no Reino Unido. Em 1982 deixou a Jamaica para estudar em um colégio inglês da Church Army, uma organização evangélica da Igreja Anglicana nas West Midlands. Ela foi nomeada capelã pela Rainha em 2008 e, dois anos depois, da Câmara dos Comuns, a primeira mulher a ocupar tal cargo, trabalhando em estreita colaboração com John Bercow, e em frequentes contatos com parlamentares e ministros. Em 2015, convidou a igreja a "acordar" e depois de ter reconhecido finalmente "que é correto que as mulheres ocupem cargos de liderança" dentro da instituição, sugeriu "colocar o mesmo empenho em relação às minorias étnicas".

Com a sua nomeação, são cinco membros da comunidade Bame (negros, asiáticos e minorias étnicas) a terem se tornado bispos. Justamente alguns meses atrás, havia falado sobre como o Reino Unido tinha se tornado mais intolerante após o Brexit. "Eu morei neste país por mais de 30 anos e pela primeira vez, no ano passado, alguém na rua gritou comigo, pedindo que eu voltasse para a África", relatou, acrescentando: "Eu não venho da África e então não entendo para qual país queriam que eu voltasse. Mas é o sinal de algo desagradável que está acontecendo na nossa sociedade. Algumas pessoas agora sentem que podem se comportar dessa maneira e podem dizer determinadas coisas”.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rose, a primeira mulher negra a tornar-se bispa anglicana - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV