Desde o Real, Bolsonaro será primeiro a terminar mandato com mínimo inferior a quando entrou

Mais Lidos

  • Eucaristia e Casa Comum: entre a Vida e o ouro. Artigo de Pe. Dário Bossi

    LER MAIS
  • Para Ailton Krenak, o capitalismo “teve metástase”

    LER MAIS
  • Mataram uns 12 milhões de indígenas, contabiliza Las Casas. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

10 Mai 2022

 

A perda no salário mínimo será de pelo menos 1,7%, caso a alta nos preços de estabilize, com inflação em alta tendência é de piora.

 

A reportagem é de Marcelo Menna Barreto, publicada por Extra Classe, 09-05-2022.

 

O presidente Jair Bolsonaro encerrará seu mandato em dezembro deste ano como o primeiro ocupante do Palácio do Planalto que deixará o salário mínimo com menor poder de compra do que quando entrou na Presidência – descontada a inflação –, a contar desde a implantação do Plano Real, em 1994.

Segundo a corretora Tullett Prebon Brasil, presente em 21 países e com histórico de 140 anos, autora do cálculo, a perda será de pelo menos 1,7%, caso a alta nos preços se estabilize.

Além do mínimo, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), os salários em geral no país atingiram o menor nível desde 2012.

Caso a inflação no país acabe sendo maior do que prevê o mercado, o poder de compra atrelado ao mínimo nacional perderá mais do que os 1,7% apontados no estudo da Tullet Prebon. A corretora usou como base para a sua projeção o Boletim Focus, do Banco Central.

 

Aceleração da inflação e ajuste fiscal

 

Segundo os analistas, a perda é o resultado básico de dois motivos: a aceleração da inflação que não consegue ser contida pelo governo federal e o ajuste fiscal que utiliza o salário-mínimo como elemento forte na indexação do Orçamento da União.

Com preços ficando mais altos de um ano para o outro, a reposição da inflação que o governo diz promover não está garantindo a preservação total do poder de compra do salário-mínimo e isto acaba impactando nos demais honorários.

 

O menor nível salarial geral em 11 anos

 

Já faz três anos que não há reajuste do piso salarial brasileiro acima da inflação. O último aconteceu em 2019 porque ainda existia a regra de correção que previa a inflação do último período mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB) dos dois últimos anos anteriores.

Para o Dieese, o resultado é dramático para a classe trabalhadora. Os salários atingiram o menor nível desde 2012. Tendo por exemplo São Paulo, a média salarial que era R$ 3.254 em 2019, caiu para R$ 2.868 em 2021. Uma redução de 11,9%.

Hoje, o salário-mínimo é R$ 1.212. Para o Dieese, ele é 5,3 vezes inferior ao piso necessário para que uma família de quatro pessoas tivesse acesso ao atendimento de suas necessidades básicas (moradia, transporte, alimentação, saúde e educação).

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Desde o Real, Bolsonaro será primeiro a terminar mandato com mínimo inferior a quando entrou - Instituto Humanitas Unisinos - IHU