Vizinhos entram na guerra do Congo

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “O populismo autoritário se apropria da linguagem da soberania popular”. Entrevista com Pierre Dardot

    LER MAIS
  • No feijão, retrato do libera-geral de venenos

    LER MAIS
  • Pastor pede escusas por ter discriminado homossexuais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Novembro 2008

Soldados de Angola e do Zimbábue já estão se envolvendo na guerra entre Exército e rebeldes tutsis na República Democrática do Congo (ex-Zaire), segundo testemunhas ouvidas ontem pela rede britânica BBC. Há informações também de que alguns dos milicianos têm recebido dinheiro do Exército de Ruanda. O governo angolano já havia anunciado, na quarta-feira, que estava pronto para enviar tropas para o país vizinho.

Esse cenário indica que, como se temia, o conflito está se regionalizando e pode repetir o que ocorreu na guerra do Congo (1998-2003), quando nove países vizinhos se envolveram no confronto e 4 milhões de pessoas morreram. Na época, Angola e Zimbábue enviaram tanques e aviões para apoiar o governo congolês. Em troca, ganharam acesso às lucrativas minas de diamante e cobre no sul e no oeste do país.

O líder dos rebeldes, Laurent Nkunda, disse que estava “pronto para governar o país, como general ou presidente”. Ex-general do Exército congolês, ele acusa o governo de não proteger os civis de sua etnia (tutsi) das milícias hutus. Os hutus entraram no Congo após promover o genocídio em Ruanda, em 1994, no qual 800 mil pessoas morreram, a maioria tutsis.

O premiê britânico, Gordon Brown, disse ontem que apoiará o plano da ONU de enviar 3 mil soldados extras para o Congo. A ONU tem 17 mil capacetes-azuis no país - sua maior missão em todo o mundo -, mas afirma que precisa de mais soldados para evitar a morte de civis. Brown se reunirá em Nova York com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para tratar do conflito.

(cfr. notícia do dia 14-11-08, esta página).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vizinhos entram na guerra do Congo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV