A encíclica de Lampedusa

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Para ser ouvida, a Igreja precisa mudar de método. Entrevista com Jean-Claude Hollerich, relator do próximo Sínodo

    LER MAIS
  • A Europa e a guerra da Ucrânia. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • “O virtual não pode ser tudo, porque se for tudo, a vida não faz sentido”. Entrevista com Cédric Durand

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Julho 2013

A viagem a Lampedusa é a primeira encíclica, não escrita, toda ela de papa Francisco. O ministério petrino se despe das suas vestes monárquicas (confira o evangelho da missa de ontem: não leveis nem bolsa, nem sacola, nem sandálias) para se tornar encontro com a pessoa humana.

O comentário é de Christian Albini, cientista político e teólogo italiano, leigo, no seu blog Sperare per tutti, 08-07-2013. A tradução é da IHU On-Line.

O impacto midiático desta viagem pôs, durante um dia, no centro aquilo que é uma periferia da sociedade, da economia e da existência. É o programa de Bergoglio em ato.

Igualmente a notícia da canonização de João XXIII e João Paulo II girou o mundo, com uma ressonância muito maior do que a Lumen fidei. É o sinal de uma unanimidade que não é insensível à mensagem de fé, mas escuta mais a linguagem do encontro com as pessoas e com a santidade do que aquilo que é prevalentemente doutrinal.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A encíclica de Lampedusa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV