Maior foto da Via Láctea tem 46 bilhões de pixels

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Movimento dos Focolares à prova

    LER MAIS
  • “Sendo 1% da população, os indígenas são a ponta de lança na resistência a Bolsonaro.” Entrevista com Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • O desafio do pós-teísmo. Artigo de Paolo Gamberini

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Outubro 2015

Um grupo de astrônomos da Universidade do Ruhr (Alemanha) construiu a maior imagem astronômica já feita até hoje. A fotografia é da Via Láctea e contém 46 bilhões de pixels. Para possibilitar sua visualização os pesquisadores criaram a ferramenta online. A imagem contém informações baseadas na observação da galáxia durante os últimos cinco anos.

A reportagem foi publicada por El País, 21-10-2015. 

Uma das partes da macrofotografia da Via Láctea. / UNIVERSIDAD DE RUHR

Usando a ferramenta virtual, é possível ver a imagem completa da Via Láctea de uma vez ou dar um zoom nas áreas específicas que mais interessarem. Na parte de baixo à esquerda aparecem as coordenadas que correspondem à seção visualizada da Via Láctea. Permite também escrever o nome de uma estrela concreta; a ferramenta a localiza e um quadrado do lado direito aumenta a área da imagem na qual ela se encontra.

Durante cinco anos, a equipe de pesquisadores, liderada por Rolf Chini, monitorou nossa galáxia em busca de objetos que aparecem e desaparecem porque têm brilho variável. Esses objetos incluem estrelas encobertas momentaneamente por planetas e sistemas onde as estrelas orbitam entre elas e ficam encobertas de vez em quando, de modo que não podem ser vistas em apenas uma observação.

Para conseguir a fotografia, os pesquisadores utilizaram os telescópios da Universidade do Ruhr no observatório do deserto do Atacama, no Chile. Com essas observações, conseguiram descobrir mais de 50.000 novos objetos que ainda não estavam identificados.

A área observada pelos astrônomos é tão grande que foi subdividida em 268 seções. Fotografaram cada seção em intervalos de vários dias e, comparando as imagens, foram capazes de identificar esses objetos. Depois, juntaram as 268 fotos em uma só imagem coerente com o que estavam observando.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Maior foto da Via Láctea tem 46 bilhões de pixels - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV