Espanha. Tragédia migratória cresce na fronteira: o número de mortos nas fronteiras de Melilla e Marrocos subiu para 37. 35 estão em estado grave

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A síndrome do pensamento acelerado

    LER MAIS
  • Papa Francisco não é contra ‘novos movimentos eclesiais’, ele apenas favorece alguns em detrimento de outros

    LER MAIS
  • “Diáconas para uma Igreja sinodal.” Síntese para o Sínodo sobre a Sinodalidade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Junho 2022

 

A tragédia na fronteira entre Melilla e Marrocos foi ainda pior do que a mídia noticiou ontem, já que o número de migrantes subsaarianos falecidos subiu para 37, segundo organizações não governamentais, enquanto as autoridades marroquinas aumentaram o número de mortes de 18 a 23. Cerca de mais 35 pessoas continuam internadas no hospital de Nador com um prognóstico “grave”, um dia depois de centenas de imigrantes, a maioria deles do Sudão, tentarem entrar em território espanhol com um salto maciço sobre a cerca da fronteira.

 

A reportagem é de Armando G. Tejeda, publicada por La Jornada, 26-06-2022.

 

 

Circularam ontem imagens de um jovem de 20 anos que permaneceu pendurado no alto da cerca da fronteira, apesar do arame farpado e do sistema de eletrificação. Abaixo, do lado marroquino, dois agentes tentavam fazer com que ele saísse jogando pedras nele. O migrante evitou-os o melhor que pôde. Finalmente, ele desceu da cerca e foi empurrado por policiais marroquinos para onde cerca de 500 outros imigrantes estavam deitados no chão e amontoados.

 


Mapa da Espanha, com destaque aos enclaves Ceuta e Melilla, que se localizam no norte da África, no território do Marrocos. Fonte: Wikicommons

 

As ONGs conseguiram obter informações em hospitais, delegacias e com os próprios migrantes, e relataram que a maioria dos mortos morreu ao cair da cerca da fronteira ou asfixiada na debandada. Os maus-tratos policiais também foram denunciados e que durante as primeiras horas da crise, os migrantes gravemente feridos não receberam atendimento médico.

 

A ONG Walking Borders informou que já havia 37 mortos e 35 internados em estado grave. A sua porta-voz, Helena Maleno, alertou que é muito provável “que o número de mortos aumente nas próximas horas”. A Associação Marroquina de Direitos Humanos estimou as mortes em 28. Enquanto o governo marroquino negou categoricamente que dois policiais estivessem entre os mortos.

 

A delegação do governo espanhol em Melilla informou que 133 migrantes subsaarianos pularam a cerca. Todos eles permanecem detidos em um centro de detenção. Além disso, foi relatado que, pelo menos do lado espanhol, foram registrados 106 ferimentos leves, 57 eram migrantes e 49 agentes da Guarda Civil.

 

 

 

O presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, elogiou a ação policial e disse que “as máfias são responsáveis pelo violento ataque à integridade territorial, então se há um responsável por tudo o que aconteceu naquela fronteira, são as máfias que eles traficam seres humanos”.

 

Na sexta-feira, Sánchez assegurou de Bruxelas que o assalto “foi bem resolvido”, referindo-se à resposta da polícia. 

 

Concentração de protesto na praça Idrissa Diallo (Foto:Eprodução | Twitter)

 


Mapa das fronteiras de Marrocos e Espanha, ao norte da África. Os enclaves espanhois Ceuta e Melilla, fazem fronteira com Tânger e Nador, respectivamente.

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Espanha. Tragédia migratória cresce na fronteira: o número de mortos nas fronteiras de Melilla e Marrocos subiu para 37. 35 estão em estado grave - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV