"Fiquei empolgado com a resistência de Brizola"

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS
  • Pedofilia, relatório sobre a diocese de Ratzinger: 497 vítimas. O Papa Emérito é acusado de negligência em 4 casos. Santa Sé: “Vergonha”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Julho 2011

O alegretense Sérgio Faraco já estava em Porto Alegre, quando estourou a crise política de 1961. Politicamente posicionado, não perdeu tempo: alistou-se nas milícias populares, pronto para lutar em defesa da Constituição. Dois anos depois, como membro do Partido Comunista Brasileiro, partiu para a União Soviética. De 1963 a 1965 foi aluno do Instituto Internacional de Ciências Sociais, em Moscou. Acabou se indispondo com as lideranças locais e sendo recolhido ao Hospital do Kremlin, em Moscou. Esta história, ele conta no livro Lágrimas na Chuva, lançado em 2002 e reeditado, este ano, pela editora L&PM.

O escritor concedeu entrevista à Nubia Silveira do sítio Sul21, 05-07-2011.

Que idade o senhor tinha quando Jânio Quadros renunciou e Brizola deu início à Legalidade?

Em 1961 eu tinha 21 anos e fiquei empolgado com a resistência de Brizola ao golpe miserável que estava sendo articulado.

Qual foi sua atitude ao saber da resistência liderada pelo então governador?

Fui até aquele edifício da av. Borges que o povo apelidara de Mata-Borrão e fiz minha inscrição para receber armas e marchar contra o centro do país. Eu acreditei naquilo.

Como um militante da Legalidade, qual a sua avaliação sobre a decisão de João Goulart, que aceitou assumir com o parlamentarismo?

O acordo parlamentarista de Jango foi uma decepção, ou mais do que isso, uma traição. Nós contávamos com o III Exército, tinha chegado a hora de dar uma chinelada nos golpistas. Muitas pessoas acham e eu também que esse recuo serviu de estímulo para os militares que tomaram o poder em 64, como se pensassem: basta entesar que eles se afrouxam.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Fiquei empolgado com a resistência de Brizola" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV