Imaculada para derrubar os poderosos e exaltar os humildes

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Inaugurado o novo escritório do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados na UNISINOS: um sonho de Pedro Arrupe

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

08 Dezembro 2023

  • Ela faz proezas com o braço.

  • Maria cantou com alegria o reconhecimento dAquele de quem vêm todos os talentos e também qual foi a lógica pela qual Ele dá talentos: “derrubar os poderosos dos seus tronos e exaltar os humildes, saciar os bem-aventurados famintos e abençoados com o bem”. coisas.” despedir os ricos epulones de mãos vazias...” (Lucas 1:46).

  • Nesta mulher de Pueblo, chamada nossa mãe aos pés da cruz, sentimo-nos compreendidos. Isso se chama “personalidade corporativa”, é o que as pessoas reconhecem em alguns dos seus como o mais representativo, o mais essencial do que são e do que aspiram ser.

  • Maria era Imaculada para amar, não para deleitar-se com uma característica extraordinária. Ela também não é uma super-heroína ao estilo Marvel, com poderes extraordinários para combater o mal. Ela é humana, totalmente humana, ela não faz mágica. Maria faz o cristianismo, que está entrelaçado na vida cotidiana.

  • Um pedido final: convide a verdadeira Maria para o Sínodo. Não aquele que eles petrificaram em estátuas e devoções domesticadoras. Escutem a Imaculada Conceição do Povo, daqueles que sofrem por amor, daqueles que os representam e já colaboram na sua salvação para além das instituições e das ideologias.

O artigo é de Guillermo Jesús Kowalski, publicado por Religión Digital, 07-12-2023.

Eis o artigo.

Maria, a identidade do povo crente

Desde o início, o povo cristão reconheceu em Maria um ser especial. Ele viu nela uma humanidade transformada pelo Amor de Deus. Uma referência para esperar e caminhar, uma companhia para percorrer o caminho da ressurreição total. Esta é verdadeiramente uma das nossas, da manjedoura à dura imigração no Egito, da ternura familiar de Nazaré ao sacrifício injusto do seu filho Deus, da experiência daquela dor à alegria da Ressurreição que é mais forte que a indiferença humana.

Foto: Religión Digital

Ela acreditou contra toda esperança e acabou percebendo que tudo que ela esperava se cumpriu. Uma mulher que leu na realidade o que o Deus eterno escreveu com os acontecimentos do dia a dia. Uma antevisão da humanidade proposta por Deus ao ser humano livre. Como não amar alguém tão próximo, tão parecido conosco, mas sem aqueles caprichos egoístas que nos distraem e desumanizam!

Maria é a boa samaritana crente e compassiva sem fissuras, ela não “trabalhou” como “boa”, pela aparência, pela obrigação, pelo proselitismo, pela recompensa, pela postura. O Povo percebe aquela transparência de servo, de viver para a Glória de Deus, que é a salvação dos pobres, associado ao seu Filho na sua Cruz.

Daí a devoção a esta mulher preservada da nossa habitual desumanidade. Nesta mulher de Pueblo, chamada nossa mãe aos pés da cruz, sentimo-nos compreendidos. Isso se chama “personalidade corporativa”, é o que as pessoas reconhecem em alguns dos seus como o mais representativo, o mais essencial do que são e do que aspiram ser. Maria, como nenhuma outra, representa os sentimentos do Povo.

Maria é Povo no sentido enunciado pelo Papa Francisco: “Cada pessoa é plenamente pessoa quando pertence a um povo, e ao mesmo tempo não existe povo verdadeiro sem respeito pelo rosto de cada pessoa. Contudo, hoje pretende-se reduzir as pessoas a indivíduos, facilmente dominados por poderes que olham para interesses espúrios”. (FT 182) O dom de ser Imaculada é função desta pertença, não é um facto individualista e isolado...ser “adorado” como algo raro.

Foto: Religión Digital

O mérito de Maria

Imaculada significa que Maria foi preservada das limitações desumanas com as quais todos nascemos. Essa limitação estrutural chamada pecado original foi transformada em Graça estrutural pelos méritos da missão do seu Filho. É por isso que a Imaculada Conceição não deve ser lida como “sem pecado”, mas como “sim à Graça e à Misericórdia”. “Não pecar” não é a meta da vida, mas uma consequência de quem ama com o Amor de Deus.

Mas como todo talento que Deus dá, não é para uso egoísta e narcisista, mas para colocá-lo humildemente ao serviço do Amor, ao serviço dos outros, da sociedade, dos vulneráveis ​​e descartados . A finalidade do Cristianismo não é “comportar-se bem”, nem mesmo “não fazer coisas más”, mas sim fazer o bem, colocar o amor onde não há, a paz onde há guerra, etc., como diz a oração de São Francisco diz. Que “não é minha responsabilidade” quando se trata da dor dos outros vem dos fariseus que apenas “cumprem”, não de Jesus, que dá tudo.

O grande engano das atuais concepções meritocráticas é pensar que tudo é feito por nós e para nós. Que não prestamos contas de tudo o que recebemos de Deus e dos outros ao longo do tempo, para que seja possível um pouco de criatividade na hora certa. Acreditar que “eu mereci” é a grande mentira da era individualista, que torna impossível um povo de irmãos . As grandes invenções, o grande desenvolvimento do direito e do pensamento não nasceram como repolhos. São fruto do trabalho sobre os dons recebidos ao longo dos séculos. O “eis aqui o servo do Senhor” é a resposta adequada ao dom, é o verdadeiro mérito.

Maria era Imaculada para amar, não para deleitar-se com uma característica extraordinária. Ela também não é uma super-heroína ao estilo Marvel, com poderes extraordinários para combater o mal. Ela é humana, totalmente humana, ela não faz mágica. Maria faz do cristianismo, que está inserido na vida quotidiana, aquele que se alegra com as coisas simples e nem sempre pensa que “só será feliz” quando tiver isto ou conseguir aquilo… como todos nós fazemos. Ele irradia a misericórdia de seu Filho para os bem-aventurados (e aqueles que os servem), para quem Ele veio.

Não somos todos iguais, existem milhões de pessoas desiguais neste mundo e não podemos começar a falar de “irmãos” se não os tirarmos dessa situação. Maria, tão desigual pelo seu talento único ao nascer, tornou-se igual multiplicando-o no mais íntimo do coração e da vida dos humanos. Nele descobrimos o bom uso dos talentos para construir um mundo fraterno.

Derrubar os poderosos de seus tronos e exaltar os humildes

Maria cantou com humildade e alegria o reconhecimento d’Aquele de quem vêm todos os talentos e cantou também qual era a lógica pela qual Ele dá talentos: “derrubar os poderosos dos seus tronos e exaltar os humildes, para encher os pobres de coisas boas. “faminto e manda embora os ricos de mãos vazias…” (MAGNIFICAT, Lc 1, 46-55).
Desta forma, ele antecipou o seu Filho, o Deus-homem para os outros, quando proclama as bem-aventuranças: eles proclamam também o triunfo final dos famintos e dos que sofrem, enquanto ele condena os orgulhosos e os que vivem para si mesmos (Lucas 6, 20-26).

Quando aprendermos com Maria que os protagonistas do Plano de Deus são os tandems bem-aventurados-samaritanos; filho pródigo, pai misericordioso; autênticos ou fariseus...e que o Juízo Final é Mt 25, o que fazemos pelos pobres, fazemos por Jesus, independente de nossa religião, partido político, condição social, raça, etc...seja lá o que formos.

Foto: Religión Digital

Unir-se a Maria ajuda-nos a esperar neste mundo que se cansou de esperar e na sua ansiedade noogeniana, faz bezerros de ouro para lhe oferecerem adoração e sacrifícios humanos. A imediatez do ter, do poder e do prazer individual fecham a perspectiva do Reino de Deus e da Sua Justiça, que quer incluir todos os humanos e leva o seu tempo. Os hábitos consumistas, ostentosos, a promoção de privilégios e instituições que os justificam, a postura permanente nas redes sociais que nos deixa buracos.

Maria é proximidade numa cultura tão individualista, é interesse por quem ninguém liga: os ninguém. O seu olhar de Mãe de Jesus estende-se até ao último dos seus filhos consagrados na Cruz do seu Filho e junto com essa mesma Cruz.

A manipulação da devoção a Maria

Sacrilégio é fazer de Maria um ídolo de resignação diante de sistemas intrinsecamente injustos. É disfarçá-lo com imagens estáticas, amuletos de “boa sorte”, mais um chirimbolo da imensa quantidade de superstições sentimentais para manipular o divino. Um projeto de piedade domesticadora instilado pelo clericalismo dominante. Ou uma faixa para fazer declarações de “cruzada” contra aqueles que nos criticam… tantas vezes precisamente.

É fazer de Maria uma piedosa distração para que o Evangelho fique quieto e não interfira, transformando o mundo em algo diferente de uma máquina “legal” de acumulação de riquezas. Se este é um mundo perfeito como acreditam alguns que estão muito bem, por que vamos mudá-lo? Se houver problemas climáticos devido ao consumo excessivo, algo será inventado. Se houver pessoas pobres, o progresso “transbordará” para elas, como já aconteceu aos poucos, para que não se queixem. Basta dar algumas crostas tecnológicas aos miseráveis ​​para mantê-los entretidos e fazer algumas orações “tradicionais”.

É o papel que os poderosos atribuíram à religião: uma perna piedosa de um sistema desumano que mata. No mundo burguês ocidental, a religião pode ser admitida como “ornamental”, “museu”, nunca como substancial, porque isso implicaria mudanças nas estruturas do pecado geridas pela sua “mão invisível” do mercado ilimitado.

Convide Maria para o Sínodo

Proponho que convidem a verdadeira Maria para o Sínodo. Que a convidem a ser uma parte real da Igreja e não lá em cima em estátuas com coroas de ouro e outras bobagens pietistas. Que a admitam casada com os seus padres, falsamente imaculada com o seu celibato artificial, sinais de poder sacro fraudulento, uma fraude que nem mesmo os resultados da pedofilia pandêmica podem mudar. Dezenas de milhares de esposas de corajosos sacerdotes casaram-se e seguiram o caminho de Cristo e receberam consigo o desprezo, a calúnia e o silêncio para enterrá-los vivos.

Deixe-os convidá-la para as exploradas Kellis, empregadas domésticas exploradas da poderosa indústria do turismo. Que convidem os migrantes que ficam em filas intermináveis ​​para receberem um pedaço de papel para trabalharem legalmente...em empregos que ninguém quer. Deixe-os convidá-la para as mulheres espancadas que nenhuma ideologia tagarela realmente protege. Que ela seja convidada entre os milhares de freiras e paróquias, usadas e abusadas como escravas por clérigos arrogantes que não sabem costurar um botão porque acreditam ser de uma casta superior.

Um pedido final: convide a verdadeira Maria para o Sínodo. Não aquele que eles petrificaram em estátuas e devoções domesticadoras. Escutem a Imaculada Conceição do Povo, daqueles que sofrem por amor, daqueles que os representam e já colaboram na sua salvação para além das instituições e das ideologias.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Imaculada para derrubar os poderosos e exaltar os humildes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU