Importância e riscos da transição energética

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • Fogo atinge floresta da TI Yanomami e Hutukara pede providências

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Mai 2023

Neste artigo apresentamos a importância e os riscos da transição energética como uma mudança profunda na forma como produzimos e consumimos energia, buscando reduzir as emissões de gases de efeito estufa que causam o aquecimento global e as mudanças climáticas.

O artigo é publicado por EcoDebate, 16-05-2023.

  • Resumo: O artigo apresenta a importância da transição energética como uma mudança profunda na forma como produzimos e consumimos energia, buscando reduzir as emissões de gases de efeito estufa que causam o aquecimento global e as mudanças climáticas. A transição energética envolve a passagem de um modelo energético baseado em fontes poluentes, como os combustíveis fósseis, para um modelo baseado em fontes renováveis, como a hidrelétrica, a eólica, a solar e a biomassa. Além disso, envolve outras dimensões, como a eficiência energética, a economia circular, a digitalização e a descentralização. A transição energética é necessária e urgente para evitar cenários catastróficos causados pelas mudanças climáticas, e também pode trazer benefícios para o meio ambiente, para a economia e para a sociedade. É um processo complexo e multidimensional que requer a participação e o comprometimento de todos os atores envolvidos.

Eis o artigo. 

A transição energética é um dos temas mais importantes e urgentes da atualidade. Trata-se de uma mudança profunda na forma como produzimos e consumimos energia, buscando reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) que causam o aquecimento global e as mudanças climáticas. Mas o que é exatamente a transição energética e por que ela é necessária e urgente?

A transição energética pode ser definida como a passagem de um modelo energético baseado em fontes poluentes, como os combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural), para um modelo baseado em fontes renováveis, como a hidrelétrica, a eólica, a solar e a biomassa. Essas fontes são chamadas de renováveis porque se regeneram na natureza ou podem ser cultivadas, ao contrário dos fósseis, que são finitos e levam milhões de anos para se formar.

Também envolve outras dimensões, como a eficiência energética, que significa usar menos energia para obter o mesmo resultado; a economia circular, que significa reaproveitar os recursos e evitar o desperdício; a digitalização, que significa usar tecnologias inteligentes para otimizar a geração, o transporte e o consumo de energia; e a descentralização, que significa aproximar os produtores e os consumidores de energia, reduzindo as perdas e aumentando a autonomia.

A transição energética é necessária porque o atual modelo energético é insustentável do ponto de vista ambiental, social e econômico. A queima de combustíveis fósseis é responsável por cerca de 75% das emissões globais de GEE, que provocam o efeito estufa e alteram o clima do planeta. As consequências disso são graves e já podem ser sentidas: aumento da temperatura média, derretimento das calotas polares, elevação do nível do mar, eventos climáticos extremos, perda de biodiversidade, escassez de água e alimentos, conflitos e migrações forçadas.

A transição energética é urgente porque o tempo para evitar esses cenários catastróficos está se esgotando. Segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), órgão científico da ONU, é preciso limitar o aumento da temperatura global a 1,5°C até o final deste século para evitar os piores impactos das mudanças climáticas. Para isso, é necessário reduzir as emissões globais de GEE em 45% até 2030 e zerá-las até 2050. Isso implica em uma transformação radical do sistema energético mundial.

Esta transformação não é apenas um desafio, mas também uma oportunidade. Ela pode trazer benefícios para o meio ambiente, para a economia e para a sociedade. A transição energética pode contribuir para a preservação dos recursos naturais, para a melhoria da qualidade do ar e da saúde pública, para a geração de empregos verdes e qualificados, para a redução da pobreza e das desigualdades, para a inovação tecnológica e para a segurança energética.

Segundo a Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA), uma transição energética, baseada em 100% de fontes renováveis até 2050, poderia gerar benefícios econômicos globais de US$ 98 trilhões, além de evitar 6 milhões de mortes prematuras por poluição do ar.

A transição energética é um processo complexo e multidimensional, que requer a participação e o comprometimento de todos os atores envolvidos: governos, empresas, organizações da sociedade civil e cidadãos. Cada um tem um papel a desempenhar nessa transformação. A transição energética é uma escolha coletiva e uma responsabilidade compartilhada. É também uma necessidade urgente e uma oportunidade única.

Riscos da transição energética

A transição energética também envolve riscos e desafios para o setor energético e para a sociedade em geral. Alguns desses riscos são:

– A segurança energética: a transição energética pode afetar a disponibilidade, a confiabilidade e a acessibilidade da energia, especialmente em países que dependem de importações de combustíveis fósseis ou que têm infraestrutura inadequada para integrar as fontes renováveis. Além disso, a transição energética pode aumentar a vulnerabilidade a choques geopolíticos, como conflitos armados, sanções econômicas ou ataques cibernéticos, que podem interromper o fornecimento de energia.

– A competitividade econômica: a transição energética pode exigir altos investimentos em tecnologias, infraestrutura e capacitação, que podem afetar a competitividade das empresas e dos países no mercado global. Além disso, a transição energética pode gerar perdas de empregos e de receitas fiscais em setores ligados aos combustíveis fósseis, que podem não ser compensadas pela criação de novas oportunidades em setores emergentes.

– A justiça social: a transição energética pode gerar desigualdades sociais entre países, regiões e grupos populacionais, que podem ter acesso diferenciado aos benefícios e aos custos da mudança. Por exemplo, alguns países podem ter mais recursos naturais ou financeiros para investir em fontes renováveis, enquanto outros podem ficar dependentes de fontes poluentes ou caras. Da mesma forma, alguns grupos podem ter mais facilidade para se adaptar às novas demandas do mercado de trabalho ou às mudanças nos padrões de consumo, enquanto outros podem ficar excluídos ou marginalizados.

Diante desses riscos, é importante que a transição energética seja planejada e implementada de forma coordenada, consistente e participativa, envolvendo governos, empresas, organizações da sociedade civil e consumidores. Além disso, é preciso que a transição energética seja justa e equitativa, garantindo que ninguém seja deixado para trás e que todos possam contribuir e se beneficiar da mudança.

A transição energética é um desafio coletivo que requer a participação e o compromisso de todos os atores da sociedade: governos, empresas, organizações não governamentais e cidadãos.

Cada um pode contribuir com suas escolhas e ações para acelerar essa mudança necessária e urgente. Afinal, o futuro do planeta depende da forma como usamos a energia hoje.

Referências

Benefícios da transição energética para a sociedade brasileira. Disponível aqui.

Os avanços e as lacunas da transição energética. Disponível aqui.

Acelerar a transição energética reduz os riscos climáticos. Disponível aqui.

Transição energética nos países em desenvolvimento depende de nova abordagem. Disponível aqui.

Brasil diante da emergência climática e a transição energética. Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Importância e riscos da transição energética - Instituto Humanitas Unisinos - IHU