Temperaturas oceânicas recordes colocam a Terra em “território desconhecido”, dizem cientistas

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

29 Abril 2023

Aquecimento "sem precedentes" indica que crise climática está ocorrendo diante de nossos olhos, dizem especialistas.

A reportagem é de Fiona Harvey, publicada por The Guardian, 26-04-2023.

As temperaturas nos oceanos do mundo quebraram novos recordes, testando novos máximos por mais de um mês em uma corrida “sem precedentes” que levou os cientistas a afirmarem que a Terra alcançou um “território desconhecido” na crise climática.

A rápida aceleração das temperaturas oceânicas no último mês é uma anomalia que os cientistas ainda precisam explicar. Dados coligidos pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA), conhecida como série Optimum Interpolation Sea Surface Temperature (OISST), reunida por satélites e boias, mostrou temperaturas mais altas do que em qualquer ano anterior, em uma série que remonta a 1981, continuamente nos últimos 42 dias.

Acredita-se que o mundo esteja à beira de um evento climático El Niño este ano – um sistema climático cíclico no Pacífico, que tem um impacto de aquecimento global. Mas o sistema El Niño ainda está para se desenvolver, então essa oscilação não pode explicar o rápido aquecimento recente, em uma época do ano em que as temperaturas do oceano normalmente estão diminuindo em relação aos picos anuais de março e abril.

O professor Mike Meredith, do British Antarctic Survey, disse: “Isso deixou os cientistas coçando a cabeça. O fato de estar esquentando tanto quanto antes é uma verdadeira surpresa e muito preocupante. Pode ser uma euforia extrema de curta duração, ou pode ser o começo de algo muito mais sério”.

O aquecimento dos oceanos é uma preocupação por muitas razões. A água do mar ocupa mais espaço em temperaturas mais altas, acelerando o aumento do nível do mar, e a água mais quente nos polos acelera o derretimento das calotas polares. Temperaturas mais altas também podem ser terríveis para os ecossistemas marinhos, pois pode ser difícil ou impossível para as espécies se adaptarem. Os corais, em particular, podem sofrer um branqueamento devastador.

Alguns cientistas temem que o rápido aquecimento possa ser um sinal de que a crise climática está progredindo em um ritmo mais rápido do que o previsto. Os oceanos atuaram como uma espécie de amortecedor global para a crise climática nas últimas décadas, tanto absorvendo grandes quantidades de dióxido de carbono que despejamos na atmosfera quanto armazenando cerca de 90% do excesso de energia e calor que isso criou, amortecendo alguns dos impactos do aquecimento global na Terra. Alguns cientistas temem que estejamos chegando ao limite da capacidade dos oceanos de absorver esses excessos.

Meredith disse que ainda era muito cedo para dizer. “A taxa [de aumento de temperatura] é mais forte do que os modelos climáticos poderiam prever”, disse ele. “O motivo de preocupação é que, se continuar, vai ficar muito à frente da curva climática [prevista] para o oceano. Mas ainda não sabemos se isso vai acontecer”.

O alarme foi disparado pela primeira vez há várias semanas. Cientistas do clima alertaram o Guardian no início deste mês que dados preliminares da NOAA mostraram que a temperatura média na superfície do oceano estava em 21,1°C desde o início de abril - superando a alta anterior de 21°C estabelecida em 2016.

“A trajetória atual parece ter saído das paradas, quebrando recordes anteriores”, disse na época o professor Matthew England, cientista climático da Universidade de New South Wales.

Desde então, as temperaturas variaram ligeiramente de um dia para o outro, mas mostraram poucos sinais de diminuição. As temperaturas continuarem tão acima da média por um período tão longo nesta época do ano é "uma anomalia", disse Ben Webber, professor de ciência do clima na Universidade de East Anglia.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Temperaturas oceânicas recordes colocam a Terra em “território desconhecido”, dizem cientistas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU