Irmão Alois, de Taizé: “É importante rezar junto com o Papa Francisco porque ele é um servo da paz, não só para os católicos, mas para a humanidade”

Mais Lidos

  • A guerra entre os cardeais católicos

    LER MAIS
  • Empresários percebem que país já não pode se submeter às forças armadas. Entrevista com Fabio Konder Comparato

    LER MAIS
  • O Papa substitui Ouellet e nomeia um bispo peruano para a Congregação dos Bispos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

25 Outubro 2022

 

  • Pizzaballa: "As religiões, quando misturadas com a política, tornam-se um formidável instrumento de manipulação".

  • Koch: "A oração mostra que a paz é sempre um dom de Deus, que somos os instrumentos para fazer esta paz, e que a primeira forma de paz é a paz do homem com Deus".

  • Alois de Taizé: “Que esta unidade não permaneça uma teoria. Somos diferentes, não temos a mesma fé, mas Deus está presente para todos”.

A reportagem é de Michele Raviart, publicada por Religión Digital, 25-10-2022.

A oração no Coliseu é um momento para lembrar os muitos conflitos que existem no mundo e não apenas a guerra na Ucrânia. O Papa Francisco usou o termo "guerra mundial em partes" e se colocarmos todos estes peças vemos um panorama desastroso da situação no mundo.

“Queremos rezar para que este panorama seja recomposto de forma positiva e com perspectivas mais serenas, especialmente para as gerações mais jovens”. Isto foi lembrado por Sua Beatitude Pierbattista Pizzaballa, Patriarca Latino de Jerusalém, falando ontem de manhã no encontro internacional "O Grito pela Paz", organizado pela Comunidade de Sant'Egidio e que culmina esta tarde com a oração do Papa no melhor movimento conhecido em Roma.

Pizzaballa: Recupere o senso visionário da fé

O Patriarca de Jerusalém participou do fórum "Religiões, Diálogo e Paz", que, como os demais atos de preparação para a oração, teve lugar no centro de convenções "La Nuvola" (A Nuvem) em Roma, junto com representantes de outras confissões e religiões. Sua Beatitude declarou:

“Infelizmente, no pensamento comum de hoje, o que se diz é que as religiões são fonte de conflito. Isso é parcialmente verdade no sentido de que as religiões, quando misturadas à política, tornam-se um formidável instrumento de manipulação. Devemos recuperar o sentido visionário da fé religiosa, que é o encontro com Deus e assim nos reconhecermos como irmãos”.

Foto: Religión Digital

Koch: A primeira paz é a do homem com Deus

Nesse sentido, reiterou o Cardeal Kurt Koch, prefeito do Dicastério para a Promoção da Unidade dos Cristãos, "a oração mostra que a paz é sempre um dom de Deus, que somos os instrumentos para fazer essa paz e que a primeira forma de paz é a paz do homem com Deus. Todas as outras formas são consequência disso, e por isso a oração pela paz é fundamental".

Os pensamentos do cardeal, falando no fórum "Páscoa comum: do sonho à necessidade de unir o mundo" na oportunidade de um único dia para que todos os cristãos celebrem a Ressurreição, abordaram também a guerra na Ucrânia cristã, "um sinal horrível para toda a cristandade do mundo".

Irmão Alois: Papa Francisco é servo da paz

A frase "não se vê" e ainda é o maior recurso de mudança que todas as gerações tiveram por milênios: é uma força fraca indispensável para encontrar os caminhos da paz. É uma "raiz da paz", como diz o título de um dos fóruns da conferência, com oradores cristãos, muçulmanos, judeus e budistas.

“É importante rezar junto com o Papa Francisco porque ele é um servo da paz, não só para os católicos, mas para a humanidade”, disse o irmão Alois, prior da comunidade ecumênica de Taizé. E acrescentou:

“Há uma grande diversidade entre nós, mas na oração já há uma unidade e com isso podemos antecipar uma paz que esperamos para o mundo. No entanto, a unidade deve ser experimentada."

“Que esta unidade – concluiu – não permanece uma teoria. Somos diferentes, não temos a mesma fé, mas Deus está presente para todos”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Irmão Alois, de Taizé: “É importante rezar junto com o Papa Francisco porque ele é um servo da paz, não só para os católicos, mas para a humanidade” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU