Sinodalidade está começando a criar raízes onde menos se esperava: EUA e universidades. Artigo de Massimo Faggioli

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Outubro 2022

 

“Curiosamente, o que – vimos nos últimos dias sugere que a sinodalidade está se enraizando mais nos Estados Unidos e no mundo acadêmico do que em Roma, entre alguns dos principais colaboradores do papa”, escreve o historiador italiano Massimo Faggioli, professor da Villanova University, Filadélfia, EUA, em artigo publicado por La Croix International, 05-10-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

A comissão (constituída por homens e mulheres, leigos e clérigos) que o secretariado-geral do Sínodo dos Bispos estabeleceu para finalizar o documento que será usado na vindoura fase continental do processo sinodal concluiu seu trabalho há pouco. Enre 22 de setembro e 02 de outubro estiveram reunidos como em um conclave, em Frascati, nos arredores de Roma.

 

Esse documento, que sintetiza mais de uma centena de relatórios sobre as consultas nacionais com o Povo de Deus e que ainda está em sigilo, será vital para a próxima fase do processo que levará à Assembleia do Sínodo dos Bispos de outubro de 2023.

 

O trabalho da comissão tem sido louvado como um importante passo no desenvolvimento de uma Igreja sinodal. O método de trabalho tem sido diferente e mais sinodal que no passado.

 

Mas ao longos das últimas semanas, tem havido outros sinais empolgantes de que o “processo sinodal” que o Papa Francisco lançou em outubro de 2021 está começando a criar raízes em áreas onde menos se esperava.

 

Acadêmicos de todo o mundo

 

O primeiro sinal vem do mundo acadêmico e esteve em exibição recentemente em Roma, onde a Pontifícia Universidade Urbaniana realizou em 03 de outubro um simpósio em Roma para um grupo de acadêmicos internacionais, que incluiu uma palestra magna do cardeal Jean-Claude Hollerich, de Luxemburgo.

 

O cardeal jesuíta não apenas é o presidente da Comissão da Conferência dos Bispos da União Europeia – COMECE, mas ele também é relator-geral para a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

 


Ele proferiu um discurso muito impressionante e corajosos no simpósio, apontando que os teólogos têm um ministério real na Igreja. Ele disse que a Igreja necessidade apoiá-los, especialmente no contexto do processo sinodal.

 

Os acadêmicos – em torno de 120 deles representando cada continente – tem trabalhado nos últimos anos para compilar os volumes do livro “Intercontinental Commentary of Vatican II” (“Comentário Intercontinental do Vaticano II”, em tradução livre).

 

Eles foram a Roma para uma reunião de quatro dias e decidiram culminar seus trabalhos com uma sessão pública conectando o Concílio Vaticano II e a sinodalidade.

 

Esta sessão, aberta por Hollerich, não foi realizada para fins de relações públicas, mas porque o trabalho deste grupo foi sinodal desde o início.

 

Essa rede intercontinental de pesquisadores, inspirada pelo atual papa e seus esforços para reviver o espírito e os ensinamentos do Vaticano II, experimentou as alegrias e as dificuldades de trabalhar de maneira sinodal.

 

Fazer pesquisa de forma sinodal apresenta desafios particulares para os acadêmicos, dada a cultura ultraindividualista e tecnocrática com a qual eles têm que lidar mesmo no sistema universitário católico contemporâneo.

 

Também representa uma forma diferente de trabalhar no sentido de que é o trabalho acadêmico que quer fazer parte da conversa eclesial, não apenas a acadêmica.

 

O modo sinodal de trabalhar para um grupo de historiadores e teólogos também significa aprender com as condições existenciais de colegas em outros países e continentes: rupturas sociais e econômicas, desafios à liberdade religiosa, mudanças no status da teologia no ensino superior público ou privado sistemas, mudando padrões de relações entre acadêmicos e líderes da Igreja.

 

A Igreja Católica nos Estados Unidos da América

 

O segundo sinal de que a sinodalidade está se enraizando veio recentemente dos Estados Unidos, onde o processo sinodal enfrentou dificuldades particulares.

 

A Conferência dos Bispos Católicos dos EUA – USCCB divulgou recentemente seu relatório final sobre o processo sinodal de 10 meses nas dioceses de rito latino do país (as dioceses de rito oriental nos EUA seguiram um processo sinodal diferente).

 

O relatório final foi divulgado em 19 de setembro e está disponível em inglês e espanhol. Marcando a finalização da fase diocesana do Sínodo sobre a Sinodalidade, fica claro que a recepção da sinodalidade corresponde à recepção do Vaticano II.

 

No entanto, uma certa crise de consciência eclesial do Vaticano II entre alguns católicos estadunidenses não bloqueou a sinodalidade.

 

“Aqui está uma tarefa que os bispos podem começar amanhã: preparar melhor a próxima geração de clérigos que atualmente obtêm sua teologia de fontes da Internet, e não do Vaticano II”, observou Michael Sean Winters no National Catholic Reporter.

 

O documento da USCCB, chamado de “Síntese Nacional do Povo de Deus nos Estados Unidos da América para a Fase Diocesana do Sínodo 2021-2023”, é assinado por Daniel Flores de Brownsville (Texas) e presidente do comitê dos bispos sobre doutrina.

 

O documento está dividido em quatro seções: “As feridas duradouras”, “Reforçar a comunhão e a participação”, “Formação permanente para a missão”, “Engajar o discernimento”.

 

A segunda seção inclui essa ênfase na necessidade de ser uma Igreja mais acolhedora:

 

O desejo mais comum mencionado nas consultas sinodais era ser uma Igreja mais acolhedora, onde todos os membros do Povo de Deus pudessem encontrar acompanhamento no caminho”.

 

As consultas sinodais mencionaram várias áreas onde existia uma tensão entre como andar com as pessoas mantendo-se fiel aos ensinamentos da Igreja, “para muitos, a percepção é que a aplicação generalizada de regras e políticas é usada como meio de exercer poder ou agir como porteiro”.

 

E para a conclusão, há esta passagem chave:

 

Neste momento do caminho sinodal, pode-se concordar ou discordar de algumas das percepções ouvidas e expressas, mas não podemos supor que elas não tenham importância na realidade vivida”.

 

Na medida em que pessoas com diferentes experiências e percepções sobre “o que realmente está acontecendo” na Igreja continuam a se encontrar e ouvir umas às outras, as percepções se tornam mais realistas e menos baseadas em narrativas culturais ou políticas mais amplas. O insight torna-se mais profundo quando as percepções são baseadas na escuta real e na experiência pessoal.

 

Este documento não é uma pesquisa ou uma amostra (científica ou não) de opinião. É uma síntese de mais de 700 mil pessoas de todos os Estados Unidos que dedicaram seu tempo e se esforçaram (e confiaram o suficiente) para dizer algo sobre o que é importante para eles em sua vida na Igreja.

 

Isso é novo e desafia os esforços para interpretá-lo como uma pesquisa. É um primeiro passo para aprender a ouvir e a falar uns com os outros como membros da Igreja, como comunhão.

 

O objetivo deste documento em particular é uma descrição realista do que foi dito e ouvido nos processos sinodais locais nos EUA. A audição deve ser abordada reflexivamente antes de começarmos a dissecá-la em termos do que desejamos ou teríamos preferido ouvir.

 

Devemos tentar estimar e apreciar “o que é” antes de discernir como chegar a um lugar melhor. O trabalho de síntese é um aspecto do trabalho maior de estimar “o que é”. O fruto mais importante talvez sejam as descobertas locais de que ouvir e agir juntos é realmente possível.

 

A Síntese Nacional do Povo de Deus nos Estados Unidos da América é um documento importante porque demonstra que não há Igreja que não necessite e que não possa se tornar mais sinodal: todas as Igrejas devem lidar com “o que se é”.

 

Sinodalidade ainda enfrenta obstáculos

 

A síntese nacional dos EUA não tenta dividir as expressões em pesadas categorias teológicas ou fazer julgamentos iniciais. Nesse sentido, é “levemente vestido” teologicamente.

 

Mas é aqui que o trabalho dos acadêmicos que reinterpretam o Vaticano II hoje e os documentos dos bispos dos EUA se conectam: ambos são trabalhos teológicos.

 

As consultas sinodais são teológicas porque são uma obra primordial da Igreja. Mas também a reflexão teológica sobre o Vaticano II hoje começa com a escuta da Igreja hoje.

 

A sinodalidade ainda enfrenta obstáculos significativos, como vimos no final de setembro na conversa pouco diplomática entre o cardeal Kurt Koch, o prefeito suíço do escritório do Vaticano para o ecumenismo, e dom Georg Bätzing, presidente da Conferência Episcopal Alemã.

 

Bätzing defendeu o “Caminho Sinodal” alemão das acusações de Koch de que a Igreja na Alemanha está se desviando das Escrituras e da Tradição e – como aconteceu na era nazista – está se adaptando acriticamente à situação social e política da época.

 

Igualar o “Caminho Sinodal” com o “Deutsche Christen”, afiliado aos nazistas, foi particularmente impressionante porque Koch também é o chefe da Comissão da Santa Sé para as Relações Religiosas com os Judeus.

 

Como o teólogo italiano Marcello Neri escreveu recentemente sobre a complicada relação entre o Vaticano e o “Caminho Sinodal” alemão:

 

A sinodalidade é a forma da Igreja que não declara a ortodoxia de uns e a heresia de outros, porque há uma riqueza inscrita nas próprias linhas da revelação de Deus no Evangelho. uma parte plena da comunidade de homens e mulheres que seguem o Senhor”.

 

Curiosamente, o que – vimos nos últimos dias sugere que a sinodalidade está se enraizando mais nos Estados Unidos e no mundo acadêmico do que em Roma, entre alguns dos principais colaboradores do papa.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sinodalidade está começando a criar raízes onde menos se esperava: EUA e universidades. Artigo de Massimo Faggioli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU