Instituição de Joinville demite professora por posicionamento político

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • As sete pistas do Papa Francisco para viver o Advento

    LER MAIS
  • Desmatamento, trabalho escravo e incentivo da ditadura: o que está por trás dos megapecuaristas do Brasil

    LER MAIS
  • Começa processo para caçar vereador que ameaçou Frei Sérgio de morte no Rio Grande do Sul

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Outubro 2022

 

A Faculdade IELUSC, de Joinville, vinculada à Rede Sinodal de Educação da Igreja Evangélica de Confissão Luterana (IECLB), demitiu a professora e pesquisadora Maria Elisa Máximo, que trabalhou por 15 anos na instituição. Motivo da demissão: a postagem no Twitter, em sua conta pessoal, de comentário sobre o acolhimento da cidade ao candidato do PL.

 

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

 

 

Joinville sendo o esgoto do bolsonarismo, pra onde escoou os resíduos finais da campanha do imbroxável inominável. Não tem quem escape: há gente brega, feia e fascista pra todos os lados”. Bolsonaro realizou a última motociata antes da eleição do domingo em Joinville.

 

Em comunicado informando a comunidade o desligamento da professora, a direção do IELUSC explicou que “o posicionamento institucional é de neutralidade política, por ser apartidária”.

 

A direção argumentou, no comunicado, que informou ao corpo docente e funcionários, no dia 12 de agosto, que evitassem “posicionamentos pessoais [que] possam ser vinculados como sendo de nossa instituição educacional, sobretudo na sala de aula ou em mídias e grupos acessados por estudantes e/ou pais; e evitar deixar-se influenciar pelas emoções ingressando em debates improdutivos, em especial quando você ou seu interlocutor utilizam achismos e generalizações como argumentos”.

 

Docentes fundantes do curso de Comunicação Social da instituição emitiram nota de solidariedade à professora demitida. “A Faculdade IELUSC prefere se posicionar à margem do processo político que vivemos, se declara ‘apartidária’ e se orgulha de sua ‘neutralidade política’. Martinho Lutero poderia ter feito isso em 1520, mas não teve medo das ideias que defendia e nada retratou das críticas a uma igreja que havia se corrompido. A herança de Lutero é hoje vilipendiada pela administração do IELUSC”, diz a nota dos fundantes.

 

Também estudantes e ex-estudantes da instituição emitiram mensagens de solidariedade à professora demitida. “Povo do Ielusc, a profa. Maria Elisa Máximo está exilada por conta de um tweet. Temos que prestar solidariedade a ela denunciando claramente a perseguição e a violência política. E cobrando da instituição a proteção e amparo a uma de suas docentes mais engajadas e brilhantes”, diz mensagem de uma estudante.

 

Quando a estudante afirma que a professora está exilada, não falta com a verdade. A professora não sai de casa, sob ameaça de violência física contra ela, suas duas crianças e seu companheiro.

 

Também o Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Joinville (Sinsej) manifestou solidariedade à professora Maria Elisa. “Todo cidadão tem o direito de expressar suas opiniões e posições em suas redes pessoais”, direito assegurado pela Constituição. A professora exerceu esse direito em sua conta pessoal em rede social “e desde então ela e sua família sofrem com ataques vindos de todos os lados”, expressa a nota do Sindicato, que pede a reintegração da professora ao quadro docente do IELUSC.

 

Também a instituição que procura, como diz, “manter boas práticas no ambiente profissional amparado em um Código de Ética e Conduta”, abandonou a professora. Quem assim age “apartidariamente” já tomou partido.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituição de Joinville demite professora por posicionamento político - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV