Cardeal Kasper contra o Sínodo alemão

Mais Lidos

  • O alerta do Vaticano aos bispos e padres que “promovem a divisão” nas redes sociais

    LER MAIS
  • “Rumo à presença plena”: novo documento vaticano reflete sobre o papel dos cristãos nos ambientes digitais

    LER MAIS
  • Vitória popular! Em defesa da saúde e do meio ambiente. Lei proíbe a pulverização aérea de agrotóxicos em todo o estado do Ceará

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

24 Junho 2022

 

Assim, o ilustre teólogo e até recentemente nume tutelar da frente reformista, recriminou seus compatriotas: segundo ele, o caminho empreendido nada mais é do que uma "tentativa de realizar um golpe de estado"

 

A reportagem é de Matteo Matzuzzi, publicada por Il Foglio, 23-06-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

O cardeal Walter Kasper, ilustre teólogo e até poucos anos atrás nume tutelar da frente inovadora que o usava como abre-alas de toda inovação possível e imaginável na Igreja, voltou a dar sua opinião sobre o Sínodo alemão, aquele "vinculante", que na Alemanha vai adiante e promete mudar um pouco tudo, com a justificativa de que faz isso para combater os abusos.

 

Kasper, elogiado publicamente pelo Papa em seu primeiro Angelus de 2013 e encarregado de dar início ao Sínodo extraordinário sobre a Família com seu relatório secreto lido no consistório, definiu o Caminho Sinodal empreendido por seus compatriotas nada menos que "a tentativa de realizar um golpe de Estado". O cardeal já havia dito tudo o que de pior possível estava acontecendo em seu país, perguntando-se se tudo isso “é realmente católico”. Agora ele dá um passo além e lembra que "a Igreja não pode ser governada de forma sinodal, porque os sínodos não podem ser institucionalmente permanentes".

 

O erro chave dos coirmãos alemães, lembrou o card. Kasper, foi ter rasgado e destruído a longa carta que o Papa lhes enviou em junho, há três anos. Desde então, o desastre foi realizado.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Kasper contra o Sínodo alemão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU