A luta da população empobrecida de Manaus pelo sagrado direito à moradia tem nome, cor e história: Irmã Helena, Assistente Social, religiosa negra

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Junho 2022

 

"A Manaus que guarda e sempre guardará em sua memória a luta de Irmã Helena pelo direito a um pedaço de chão é a Manaus da população empobrecida, daquelas e daqueles cujos braços e mentes constroem a cidade e dela são excluídos", escreve José Alcimar de Oliveira, professor do Departamento de Filosofia da UFAM.

 

Eis o artigo.

 

A luta da população empobrecida de Manaus pelo sagrado direito à moradia tem nome, cor e história: Irmã Helena, Assistente Social, religiosa negra da Congregação das Irmãs Adoradoras do Sangue de Cristo (ASC).

 

Seu nome de mulher negra, cristã, militante, que teceu sua existência com o destino dos sem-teto, dos sem direito à cidade, faz parte da Manaus que ainda continua segregada pela criminosa especulação imobiliária.

 

A Manaus que guarda e sempre guardará em sua memória a luta de Irmã Helena pelo direito a um pedaço de chão é a Manaus da população empobrecida, daquelas e daqueles cujos braços e mentes constroem a cidade e dela são excluídos. O povo excluído do direito à cidade foi acolhido pela generosidade militante dessa Irmã Guerreira, que incomodou o contentamento do poder e boa parte de sua contente população, instalada em condomínios, conjuntos residenciais e torres bem protegidas e vigiadas pelo Estado controlado pelo capital.

 

Queira ou não o Vaticano, o Povo de Deus e o Deus do Povo já canonizaram Irmã Helena, que desde hoje, 13 de junho de 2022, na festa de Santo Antônio do Povo, passa a se chamar Santa Helena dos Pobres.

 

Tive a honra de ser aluno de Irmã Helena na década de 1970, nos tempos de Seminário Franciscano Menor e guardo na memória até hoje a missa que celebrei com ela numa ocupação que deu origem ao bairro de Novo Israel, em 08 de julho de 1989, época em que era sacerdote franciscano da Terceira Ordem Regular.

 

Depoimentos de algumas religiosas

 

Meus sentimentos aos familiares e as irmãs da Irmã Helena, sua comunidade religiosa, grande missionária nestas terras Amazônica. Deus nos conforte. Ir. Agostinha - CPT

 

Irmã Helena ficou gravada no coração de muitas e muitas pessoas que hoje formam parte destes lugares onde ela lutou incansavelmente. Agradeço a Deus por tão grande Dom que nos deu todos estes tempos. Sempre em comunhão com nossa oração. Ir. Paulina

 

Estamos unidas às ASC em gratidão a Deus pela vida/testemunho da Ir. Helena. Ela estudou no Colégio Auxiliadora de Porto Velho, onde sua família viveu nos tempos da construção da estrada Madeira-Mamoré. Bendito seja Deus descanse em paz. Ir. Carmelita

 

Nossa comunhão e sintonia com as Irmãs Adoradoras que hoje entrega a Deus este presente que Ele nos concedeu por um tempo descanse em paz nossa profetiza dos pobres e abandonados, dos sem casa e sem um pedaço de chão para viver. São muitos aqueles que nesta imensa Manaus tem um lugar para viver, graças a coragem e ousadia de Ir. Helena. Ir. Maria Couto

 

Irmã Helena, líder nas décadas de 1970 e 1980 da luta pelo direito à moradia popular, com ocupação de áreas da União griladas por latifundiários urbanos, para quem aquilo era uma “invasão”, um ataque comunista contra a propriedade privada. De “invasão” os grileiros entendem, afinal foi o que fizeram quando se apropriaram das terras devolutas.

No balanço final, o Movimento dos Sem Tetos com o apoio da Pastoral da Terra conquistou moradia para quase meio milhão de pessoas, os lascados da vida, que criaram pelo menos 15 novos bairros em Manaus, entre eles: Zumbi dos Palmares I e II, Terra Nova, São José, João Paulo II, Nossa Senhora de Fátima, Novo Israel, Armando Mendes, Japiim, Nova Luz, Santa Etelvina, Monte das Oliveiras, Lírio do Vale, Val Paraíso e Redenção apelidado de forma racista de “Planeta dos Macacos”. Ir. Luzia

 

Às irmãs Admiradoras, meus fortes Parabéns por entregar a Deus o Dom que Ele mesmo preparou:

Irmã Helena!

Ela teve a graça da compreensão de muitas pessoas que a ajudaram a colocar o Evangelho de Jesus como prioridade em sua vida.

Eis a Profetiza simples, clara e audaciosa!

Querida Helena, que a LUZ Eterna a envolva e não esqueça de que ainda temos muitas pessoas sem as mínimas condições de viver sua dignidade.

Inspira-nos gestos e atitudes evangélico-transformadoras.

Nosso abraço aos familiares e às irmãs desta Congregação que colaborou com o coração sensível da irmã Helena.

Irmã Santina

 

Tive a graça de conhecer a Ir. Helena alguns anos atrás. Já estava um tanto fragilizada e recolhida na casa das Irmãs, aqui perto onde moro atualmente. Muito me impressionou foi sua lucidez e sabedoria em estar em sintonia com a dores e os sofrimentos do povo. Era uma mulher muito simples, com um olha penetrante e determinada naquilo que fazia em favor dos empobrecidos/as. Certamente está junto de Deus intercendo por nós! Pe. Paulo Tadeu, Sj.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A luta da população empobrecida de Manaus pelo sagrado direito à moradia tem nome, cor e história: Irmã Helena, Assistente Social, religiosa negra - Instituto Humanitas Unisinos - IHU