Jovens, Urgência Ecológica e Conferências do Clima (COPs)

Mais Lidos

  • Ideias e paixões para a Igreja na Europa. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • “A maneira de viver dos indígenas é completamente diferente do modo que o agronegócio usa os territórios”. Entrevista com Manuela Carneiro da Cunha

    LER MAIS
  • “Bolsonaro e Trump mostraram que as ruas hoje podem ser da direita”. Entrevista com Ignacio Ramonet

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

23 Fevereiro 2022

 

"A cada dia, aumenta o número de jovens preocupados com o fato de que o aquecimento global não mais bate à nossa porta. Que ele já está confortavelmente instalado em nossa antessala. Que as mudanças climáticas fazem parte de nosso cotidiano sem possibilidades de fazer “meia volta volver”. Vivem angustiados, pois estão embarcados em uma viagem ao desconhecido com passagem só de ida", escreve Tomás Togni Tarquinio, antropólogo e ambientalista.

 

Eis o artigo.

 

Quatro meses após a Conferência do Clima (COP-26) de novembro de 2021, em Glasgow, os temas “candentes” tratados estão novamente relegados a um terceiro plano. Retornarão seguramente às páginas dos jornais em novembro de 2022, por ocasião da COP-27, a se realizar no Egito.

“A montanha pariu um rato”. A sentença sobre o encontro na Escócia não foi proferida por uma “ecochata”, radical, vegetariana. Mas, por Inger Anderson, Diretora Executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). A dinamarquesa, produto das melhores escolas formadoras de burocratas incrustados nas instituições internacionais, tem sua dose de razão.

Os resultados negativos são claros: o Pacto de Glasgow é insuficiente para conter o aquecimento global em 1,5°C; os pedidos de financiamento de países pobres vítimas da desregulação climática foram ignorados e as promessas de eliminação do carbono fóssil sequer alcançaram um mínimo denominador comum. Único aspecto positivo do acordo de Glasgow: ter sido pior do que ficou acertado.

Isto posto, as COPs são uma tribuna importante. Porém, sem capacidade de ação. Palavras que não constrangem aqueles que tem poder de decisão para tornar efetivos os compromissos assumidos. As COPs são igualmente úteis porque reúnem todos os países do planeta e não uma minoria que decidiria por conta própria. Se é ruim como é, pior seria sem elas.

Felizmente, os problemas tratados sensibilizam a população jovem. Contribuem para um maior conhecimento sobre a degradação das condições de habitabilidade do planeta – sejam humanos ou não-humanos. As avaliações otimistas das COPs causam desconforto. Os jovens estão angustiados com o futuro de suas próprias existências, Greta entre outras e outros. Eles sabem que as intenções anunciadas pelos atores presentes (países, regiões, cidades, empresas, ONGs, associações, lavadores de verde e quejandos) não se traduzem em atos susceptíveis de reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE). Que o objetivo de redução de 45%, em 2030, é inexequível. Tanto mais que todos nós sabemos que haverá aumento de 15% dos GEE durante o período considerado. Que a temperatura média do planeta Terra pode ultrapassar 1,5°C na próxima década. Também constatam a pouca eficiência das instancias executivas para alcançar os objetivos fixados nos encontros – sejam locais, regionais e internacionais. Sabem que pagarão a mula roubada.

Os jovens também sabem que é inútil fixar objetivos se inexistem meios e vontade política para alcançá-los. Eles se dão conta de que os encontros não se traduzem em nada de substantivo para atenuar e adaptar as sociedades às mudanças climáticas. Pelo contrário, verificam que as políticas em curso caminham em sentido inverso às intenções apregoadas. Que o modo de produção e consumo da sociedade termo industrial, predominantemente capitalista, caminha em sentido oposto aos objetivos fixados pelas COPs e às recomendações do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Que nos últimos 40 anos, as emissões mundiais de GEE aumentaram em 60%. Que a perda de biodiversidade alcançou índices alarmantes. Se preocupam, inclusive, com questões sem dúvida paradoxais, porém menos relevantes, como o número de jatos que pousaram em Glasgow, ou com o fato de não haver compensação das emissões de GEE decorrentes das viagens efetuadas pelos participantes ao grande evento.

A cada dia, aumenta o número de jovens preocupados com o fato de que o aquecimento global não mais bate à nossa porta. Que ele já está confortavelmente instalado em nossa antessala. Que as mudanças climáticas fazem parte de nosso cotidiano sem possibilidades de fazer “meia volta volver”. Vivem angustiados, pois estão embarcados em uma viagem ao desconhecido com passagem só de ida.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Jovens, Urgência Ecológica e Conferências do Clima (COPs) - Instituto Humanitas Unisinos - IHU