Cientistas alertam sobre o acúmulo sem precedentes de mercúrio no Oceano Pacífico

Mais Lidos

  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

28 Mai 2021


Um artigo científico recém-lançado na Scientific Reports revelou que quantidades sem precedentes de mercúrio altamente tóxico são depositadas nas trincheiras mais profundas do Oceano Pacífico.

A reportagem é publicada por Aarhus University e reproduzida por EcoDebate, 26-05-2021. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Uma equipe multinacional de cientistas descobriu quantidades de mercúrio nas trincheiras mais profundas do Oceano Pacífico que excedem qualquer valor já registrado em sedimentos marinhos remotos – até mais do que muitas áreas diretamente contaminadas por liberações industriais.

O estudo, um esforço multinacional envolvendo cientistas da Dinamarca, Canadá, Alemanha e Japão, relata as primeiras medições diretas da deposição de mercúrio em um dos ambientes logisticamente mais desafiadores de amostrar na Terra, e o mais profundo em oito a 10 quilômetros sob o mar.

O autor principal, Professor Hamed Sanei, Diretor do Laboratório de Carbono Orgânico Litosférico (LOC) do Departamento de Geociências da Universidade de Aarhus, afirmou que a quantidade de mercúrio descoberta nesta área excede qualquer valor já registrado em sedimentos marinhos remotos, e é ainda maior do que muitos áreas diretamente contaminadas por lançamentos industriais.

“A má notícia é que esses altos níveis de mercúrio podem ser representativos do aumento coletivo das emissões antropogênicas de Hg em nossos oceanos”, disse ele. “Mas a boa notícia é que as trincheiras oceânicas atuam como um depósito permanente e, portanto, podemos esperar que o mercúrio que vai parar lá ficará soterrado por muitos milhões de anos. As placas tectônicas levarão esses sedimentos para o manto superior da Terra”.

“Mas mesmo enquanto o mercúrio está sendo removido da biosfera, continua sendo bastante alarmante a quantidade de mercúrio que foi parar nas fossas oceânicas. Isso pode ser um indicador da saúde geral de nossos oceanos.”

O coautor Dr. Peter Outridge, um cientista pesquisador da Natural Resources Canada e principal autor da Avaliação Global de Mercúrio das Nações Unidas, disse: “Os resultados desta pesquisa ajudam a preencher uma lacuna de conhecimento fundamental no ciclo do mercúrio, ou seja, a taxa real da remoção de mercúrio do meio ambiente global para os sedimentos do fundo do oceano. ” Ele acrescentou: “Nós mostramos que os sedimentos nas fossas oceânicas são ‘hotspots’ de acumulação de mercúrio, com taxas de acumulação de mercúrio muitas vezes mais altas do que se acreditava estar presente anteriormente.”

O coautor Ronnie Glud, professor e diretor do Centro Hadal da Universidade do Sul da Dinamarca, que foi o líder científico desta expedição multinacional às fossas oceânicas, disse: “Este artigo exige uma amostragem adicional extensa do oceano profundo e, em particular, trincheiras de hadal para apoiar este trabalho preliminar. Em última análise, isso irá melhorar a precisão dos modelos ambientais de mercúrio e o gerenciamento da poluição global por mercúrio. ”

 

Referência:

Sanei, H., Outridge, P.M., Oguri, K. et al. High mercury accumulation in deep-ocean hadal sediments. Sci Rep 11, 10970 (2021). Disponível aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cientistas alertam sobre o acúmulo sem precedentes de mercúrio no Oceano Pacífico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU