A trajetória de Pippo Morelli, do sindicalismo católico ao Brasil de Lula

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Estados Unidos são uma ameaça à paz mundial e a seus cidadãos. Entrevista com Noam Chomsky

    LER MAIS
  • Misericórdia. O funeral negado a Welby: Zuppi remedia à vergonha da Igreja de Ruini

    LER MAIS
  • Terça-feira, 9 de agosto de 2022. 80º Aniversário do Martírio de Edith Stein

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Março 2021

 

Em 22 de março teria completado 90 anos Giuseppe Morelli, líder da FIM CISL (Federação dos Metalúrgicos) e depois da FLM (Federação Unitária Metalúrgicos) nos anos 1960-70 - quando os metalúrgicos “tomavam de assalto o céu”- católico do dissenso, principal promotor das 150 horas, pelo direito ao estudo dos trabalhadores, militante do PDUPE da Democracia Proletária, amigo e apoiador do jovem Luiz Inácio Lula da Silva, que no Brasil dos militares estava dando vida à Central Única dos Trabalhadores (CUT), um entre os primeiros no sindicato italiano a perceber a centralidade da questão ecológica.

A reportagem é de Luca Kocci, publicada por Il Manifesto, 23-03-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

Ainda teria muito a dizer e fazer se em 1993, justamente ao retornar do Brasil, um derrame não o tivesse obrigado a interromper sua atividade social e política, até sua morte, vinte anos depois, em 2013. A história tão importante quanto pouco conhecida de Morelli é agora reconstruída pela primeira vez por Francesco Lauria, pesquisador do Centro de Estudos da CISL de Florença, em um denso e documentado volume: Sapere Libertà Mondo. La strada di Pippo Morelli (Edizioni Lavoro, p. 500, euro 28).

Morelli nasceu em 1931 em Reggio Emilia. Ele não participou ativamente, devido à sua tenra idade, mas viveu a Resistência, incluindo suas contradições: seu irmão mais velho, Giorgio, um partidário católico das Chamas Verdes, morreu em 1947 numa emboscada de partidários comunistas. Frequentou escoteiros, formou-se em ciências políticas, ingressou no Centro de Estudos do CISL de Florença, fundado por Giulio Pastore e também inspirado por Giuseppe Dossetti, uma forja de valiosos sindicalistas para a qual o próprio Morelli contribui, como organizador de acampamentos escola e encontros de formação. Especialista em negociações coletivas, mudou-se para Milão, para a Federação dos Metalúrgicos (FIM), da qual se tornaria secretário nacional e que contribuiria para renovar profundamente, junto com Luigi Macario e Pierre Carniti, reivindicando autonomia da DC (o sindicato não deve ser a "correia de transmissão" do partido) e da própria CISL nacional; e trabalhando pela unidade sindical na FLM, a Federação dos Metalúrgicos, que por uma década, até o "decreto de San Valentino" de 1984, manterá a FIM, a FIOM e UILM unidas.

Foram os anos de contaminação com o movimento estudantil, da entrada na FIM dos jovens de 1968 (os "cabeludos do sindicato" que Morelli defendia contra os "matusa"), dos “trabalhadores e estudantes unidos na luta”, da conquista do Estatuto dos Trabalhadores e das 150 horas, uma das principais lutas lideradas por Morelli, ao lado de Bruno Trentin e Antonio Lettieri da FIOM. Na década de 1970, o empenho sindical se somava ao compromisso político, civil e eclesial: os Cristãos pelo Socialismo, a batalha pelo divórcio com os "católicos pelo não", a militância no PDUP e no DP.

Em 1981 a primeira viagem ao Brasil, para se encontrar com “um jovem e combativo sindicalista e militante social”: Lula. E, ao longo dos anos oitenta e início dos anos noventa, quando na CISL de Franco Marini e sobretudo de Sergio D'Antoni a esquerda era gradativamente redimensionada, o empenho ecológico e internacional, com o Brasil, até o derrame de 1993.

Morelli foi uma "pessoa-ponte", escreve Lauria: “ponte entre o mundo da cultura e o ativismo sindical, entre a dimensão eclesial e a esquerda radical, uma ponte entre o norte do mundo e aquele Brasil onde, com visão de longo prazo, havia percebido um possível percurso de emancipação geral das classes populares através do sindicato, percebendo também as possíveis contradições”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A trajetória de Pippo Morelli, do sindicalismo católico ao Brasil de Lula - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV