“Sem uma distribuição justa das vacinas não se ganha o jogo”

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Um mundo sem a fratura entre o ser humano e a natureza? Uma exegese a partir do Gênesis. Artigo de André Wénin

    LER MAIS
  • África, padres pais de filhos?

    LER MAIS
  • Efeito Bolsonaro: 1 em cada 4 brasileiros diz que falta comida em casa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Março 2021

Não basta distribuir soros aos países mais pobres, é preciso chegar às pessoas. Costa: “Se esta lacuna não for superada, a Covid-19 continuará a circular e a fazer vítimas”. É o elo mais fraco e vulnerável da cadeia no final do qual existe o tão esperado fim da pandemia. Se não for atendido de forma adequada (e rápida), esse anel corre o risco de se transformar em uma "lacuna mortal". Anulando os esforços para constituir uma barreira ao avanço da Covid nos países mais pobres.

Este é o alarme lançado pela Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. Não é suficiente estabelecer um sistema para levar vacinas aos países mais frágeis se o elo mais fraco – chegar efetivamente até às pessoas - se rompe ou não funciona.

A reportagem é de Luca Miele, publicada por Avvenire, 10-03-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

É um problema dentro do problema. O segundo corre o risco de amplificar o primeiro. Hoje, a grande maioria das doses da vacina foi entregue a países de alta renda. Quase 70% das doses administradas foram registradas nos 50 países mais ricos do mundo. Em contraste, apenas 0,1% das doses da vacina foram fornecidas nos 50 países mais pobres. Uma desigualdade alarmante que “pode potencialmente ter um efeito devastador na taxa de mortalidade”. Mas isso não basta. O desafio é duplo. As vacinas não devem apenas ser levadas aos países pobres. Elas devem ser realmente administradas. “Os esforços para adquirir e distribuir vacinas entre os governos - explica o presidente da maior rede humanitária do mundo, Francesco Rocca - são claramente cruciais e devem ser plenamente apoiados pelos doadores.

No entanto, não é suficiente focar apenas neste lado da equação. Iniciativas como a Covax garantem que as vacinas cheguem às pistas dos aeroportos das capitais dos países participantes. Elas são inquestionavelmente importantes. Mas devem ser complementadas por iniciativas destinadas a tirar essas vacinas do asfalto e colocá-las a disposição de todos os que delas necessitam”. O trabalho para vacinar as comunidades mais vulneráveis e isoladas continua.

No Brasil, voluntários e funcionários da Cruz Vermelha estão vacinando comunidades isoladas na Amazônia. Nas Maldivas, o Crescente Vermelho apoiou a vacinação de migrantes não registrados. O mesmo acontece na Grécia e na República Checa.

“A nossa mensagem - continua Rocca - é simples: precisamos de financiamento urgente. Sem esse esforço, uma lacuna irremediável permanecerá aberta entre quem vai vencer a pandemia e quem permanecerá vulnerável. E o vírus continuará a circular e as pessoas continuarão a adoecer e morrer”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Sem uma distribuição justa das vacinas não se ganha o jogo” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV