Carlos Nobre alerta: “Estamos no máximo, a 20 anos da ‘savanização’ da Amazônia”

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “Da crise não se sai sozinho. Se sai arriscando e dando a mão ao outro”. Entrevista com o Papa Francisco

    LER MAIS
  • A liturgia e o desejo de comunhão: sobre “Desiderio desideravi” do Papa Francisco

    LER MAIS
  • “A sinodalidade é um processo dinâmico que nunca termina”. Entrevista com Dom Luis Marín de San Martín

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Dezembro 2020

 "Eu tenho feito muita pesquisa mostrando que a Amazônia está muito próxima de um ponto de “não retorno”, que chamo de ‘savanização’ – vira um cerrado”.

“Se não zerarmos o desmatamento e reflorestarmos a floresta, nós estamos, no máximo, a vinte anos da “savanização”. Fica irreversível”.

A reportagem é de Morris Kachani, publicada por O Estado de S. Paulo, 15-12-2020.

Já estamos vendo isso. A estação seca está ficando mais longa no sul da Amazônia, ela já é três semanas mais longa do que nos anos 80, e nos lugares mais desmatados até quatro semanas mais longa. Se chegar a cinco meses de estação seca, é o clima da savana e a floresta não resiste, ela vira savana. Morrem todas as árvores do clima úmido, típicas da Amazônia”

“Nós já desmatamos 1 milhão de metros quadrados na Amazônia, cerca de 800 mil quilômetros, mais de três vezes o Estado de São Paulo, e a Amazônia tem uma produtividade agrícola que é de 1/4 a 1/5 da produtividade agrícola do Estado de São Paulo”.

“Se ele quiser [o Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles] um dia honrar os filhos, que os filhos não tenham vergonha do pai, que ele peça para sair. Este ministro não entende nada de meio ambiente, ele é um ruralista, o pior ministro do Meio Ambiente da história”

“Um paulistano emite menos do que a média brasileira porque 70% das emissões brasileiras são desmatamento e agricultura. Então a emissão direta do paulistano é bem menor, de 2 a 3 toneladas por ano. Mas se a gente computar as emissões indiretas, sobe bastante.

Por exemplo, você compra carne; se essa carne veio da Amazônia, quanto que ela foi responsável pelo desmatamento? Foi muito.

Se todo o paulistano exigisse a rastreabilidade da carne, diminuiria em 50% o desmatamento da Amazônia, porque os desmatadores ilegais perderiam mercados”

O cientista Carlos Nobre é graduado em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e doutorado em Meteorologia pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT); em sua carreira se destacam seus estudos sobre o aquecimento global, e a defesa do meio ambiente. Nobre também foi um dos autores do Quarto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), que, em 2007, foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz, juntamente com o ex-vice- presidente dos EUA Al Gore.

A íntegra da reportagem pode ser lida aqui.

Assista à entrevista: 

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Carlos Nobre alerta: “Estamos no máximo, a 20 anos da ‘savanização’ da Amazônia” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV