A REPAM se soma à Assembleia Mundial da Amazônia, diante de “uma situação de vulnerabilidade que nunca havíamos experimentado antes”

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

16 Julho 2020

A passividade dos diferentes governos diante do sofrimento dos povos amazônicos neste momento de pandemia é uma constante que transcende as fronteiras. Em vista desta falta de compromisso, repetidamente denunciada por organizações indígenas e sociais, bem como pela própria Igreja Católica, que se expressaram através de vários comunicados, foi convocada a Assembleia Mundial pela Amazônia.

A reportagem é de Luis Miguel Modino.

Assembleia Mundial pela Amazônia. (Fonte: REPAM)

A autoconvocação, que nesta quarta-feira, 15 de julho, já contava com mais de 700 aderentes, entre eles mais de 300 organizações de diferentes países do mundo, é uma tentativa de deter o etnocídio, o ecocídio e o extrativismo na Amazônia que é agravado pela pandemia do COVID-19. A assembleia acontecerá virtualmente nos dias 18 e 19 de julho, embora já do dia 16 serão realizados webinars para contextualizar e discutir as campanhas que se pretende construir em conjunto.

No Sínodo para a Amazônia, a Igreja Católica se comprometeu a ser aliada dos povos amazônicos, especialmente dos povos indígenas. Como resultado desta aliança, a Rede Eclesial Pan-Amazônica - REPAM, através de seu secretário executivo, Mauricio López, fez um convite para participar da Assembleia Mundial pela Amazônia. Ele definiu a situação atual como "um momento crucial na história, estamos enfrentando uma situação sem precedentes, esta pandemia nos colocou em uma situação de vulnerabilidade que nunca havíamos experimentado antes". O que estamos vivendo, segundo Maurício, "põe a nu e revela todas as situações de exclusão, desigualdade e injustiça que temos vivido, especialmente nos povos originários e comunidades da Amazônia".

Para uma Igreja que é aliada dos povos amazônicos, "é impossível não levantar a voz diante desta situação, onde estes territórios contribuíram para o suposto desenvolvimento de nossas sociedades e de nossos países, e vivem uma situação da magnitude que estamos vivendo agora", insiste o secretário executivo da REPAM. De fato, como mostram os dados coletados pela própria REPAM, "estamos chegando a cerca de 600.000 pessoas infectadas e perto de 20.000 mortos, com mais de 170 povos originários afetados por esta pandemia", afirma Mauricio López.

Por esta razão, Mauricio não duvida em afirmar que "este é um momento para somar forças, como Rede Eclesial Pan-Amazônica - REPAM, queremos subscrever esta iniciativa, unir-nos aos irmãos e irmãs indígenas da COICA, ao Fórum Social Pan-Amazônico - FOSPA, e a todos aqueles que se unem a este chamado para levantar a voz, para buscar caminhos juntos e, sobretudo, para fazer propostas para um futuro possível".

As palavras do secretário executivo da REPAM são um eco do que foi afirmado pelo Papa Francisco no Sínodo para a Amazônia, onde "ele nos convidou firmemente a buscar alternativas e formas que possam libertar a Amazônia de todos os males que a afetam". Mauricio recorda em sua mensagem os quatro sonhos contidos na exortação pós-sinodal, Querida Amazônia. Em primeiro lugar, ele fala de "um sonho social, em defesa dos direitos dos povos originários, de seus territórios, de sua identidade". Além disso, "um sonho cultural, em profundo respeito por suas culturas, sua história, suas visões de mundo, para um intercâmbio que nos enriqueça mutuamente e que permita ao mundo ter essa diversidade, essa pluriformidade que o enriquece.

Um terceiro sonho, ao qual Mauricio Lopez se refere, é o "sonho ecológico, que é ser capaz de proteger a vida, a beleza, o mistério da Amazônia, que é a fonte da vida para o mundo". Finalmente, ele fala de "um sonho eclesial, com uma Igreja muito mais encarnada, que pode acompanhar e viver nesta realidade, para dar novas perspectivas para o futuro junto com todos aqueles que ali vivem". Movida por tudo isso, a REPAM afirma que "este é um momento em que defendemos a vida, na chave da justiça, do Reino, do Evangelho para a Igreja", convidando a todos e pedindo aos membros da REPAM que se juntem a esta Assembleia Mundial pela Amazônia nos dias 18 e 19 de julho.

Trata-se de "marcar, da mesma forma que esta pandemia está marcando um antes e um depois, poder marcar também, juntos e juntas, um antes e um depois na resposta para defender a vida, para defender o futuro, para acompanhar os povos e comunidades mais ameaçados neste território", enfatiza Mauricio López. Sem dúvida, esta é uma nova oportunidade para continuar avançando na construção de um futuro melhor para a Amazônia e seus povos.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A REPAM se soma à Assembleia Mundial da Amazônia, diante de “uma situação de vulnerabilidade que nunca havíamos experimentado antes” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU