Chinesa promete rastrear toda soja comprada do Brasil até 2023

Mais Lidos

  • Eucaristia e Casa Comum: entre a Vida e o ouro. Artigo de Pe. Dário Bossi

    LER MAIS
  • Para Ailton Krenak, o capitalismo “teve metástase”

    LER MAIS
  • Mataram uns 12 milhões de indígenas, contabiliza Las Casas. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

08 Julho 2020

Cofco, líder em processamento de alimentos no país asiático, quer se certificar de que grãos não venham de áreas de desmatamento irregular.

A reportagem é publicada por G1, 03-07-2020.

A maior empresa chinesa de processamento de alimentos, a Cofco, prometeu rastrear 100% da soja importada do Brasil até 2023. A medida consta do anuário de sustentabilidade da companhia, divulgado na última quinta-feira (2).

A Cofco quer garantir as origens do grão, para evitar a compra de produtos que venham de áreas de desmatamento irregular. “Tornamos público nosso compromisso de rastreabilidade porque estamos preparados e queremos ser responsabilizados por isso”, disse Wei Peng, chefe de sustentabilidade da empresa.

A meta para este ano, segundo ele, é rastrear mais de 50% do volume comprado dos produtores locais.

Segundo a agência Bloomberg, a rival da Cofco, Louis Dreyfus Co., também afirmou que tem rastreado uma parte da soja comprada do Brasil. No ano passado, foram 30%. Neste ano, o objetivo é chegar a 50%. E a Cargill também disse que rastreia 100% da soja comprada do país.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chinesa promete rastrear toda soja comprada do Brasil até 2023 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU