Estive em 26 Universidades dos EUA e ninguém pensa duas vezes antes de definir Bolsonaro: “Fascista”

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

20 Março 2019

Bolsonaro não vai conseguir mudar sua imagem no exterior de racista e ditador porque ela reflete exatamente o que ele é, escreve Rosana Pinheiro-Machado, cientista social e antropóloga, docente da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) em artigo publicado por The Intercept, 18-03-2019.

Eis o artigo.

No domingo, dia 17, Bolsonaro embarcou para os Estados Unidos para se reunir com empresários e o presidente Donald Trump. Com razão, ele anda preocupado com sua imagem pública de racista e ditador lá fora. Para mudar isso, o governo trocará o embaixador brasileiro em Washington, Sérgio Amaral, “que não estaria vendendo uma boa imagem do Brasil no exterior”.

Será que vai funcionar? Minha andança recente pelos Estados Unidos me passou a impressão de que a tentativa será em vão.

Nos últimos dois meses, passei por uma espécie de peregrinação pelas universidades norte-americanas, em um giro acadêmico que teve uma agenda de grande amplitude: foram 26 universidades, 35 palestras e dezenas de encontros com jornalistas, ativistas, estudantes e coletivos organizados em defesa da democracia. A ideia do tour surgiu logo após as eleições, quando a professora Érika Larkins, diretora do Brazil Program da Universidade Estadual de San Diego, convidou-me para explicar (com base em minhas pesquisas e de Lúcia Scalco) o fenômeno da extrema direita e a ascensão de Jair Bolsonaro para os “gringos”, sob uma perspectiva crítica.

A íntegra do artigo pode ser lida aqui.

Leia mais

Entrevistas de Rosana Pinheiro-Machado publicadas no IHU

Artigos de Rosana Pinheiro-Machado publicados no IHU

Veja também

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estive em 26 Universidades dos EUA e ninguém pensa duas vezes antes de definir Bolsonaro: “Fascista” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU